Interromper remédios por conta própria: risco à saúde

Assim como a automedicação, prática pode causar sérias consequências ao paciente

Por O Dia

Rio - Não só o hábito de se automedicar é cada vez mais motivo de preocupação para os médicos, mas também o de interromper o tratamento por conta própria. As duas práticas podem levar o paciente a sofrer graves consequências. O diretor geral do Hospital Municipal Miguel Couto, Luis Alexandre Essinger, explica que as emergências do Rio recebem muitos casos, em especial ligados aos remédios que controlam a pressão arterial.

Segundo ele, com o tempo alguns pacientes param de tomar o comprimido — ou porque se sentem melhor ou nos dias em que vão ingerir bebida alcoólica. “A pressão sobe e ele fica vulnerável. Corre risco de ter um Acidente Vascular Cerebral (AVC). O ideal é não beber álcool, mas se for beber moderadamente, é importante manter a medicação mesmo assim”, diz o médico.

Diabéticos também se arriscam ao parar de usar a insulina: eles passam a não controlar o nível de açúcar no sangue, o que pode levá-los, em casos mais graves, ao coma.

Em relação à automedicação, Essinger ressalta: “Pelo menos sete pacientes procuram semanalmente atendimentos no hospital com intoxicação, depois de fazerem usos indevidos de medicamentos e não terem o resultado esperado”. De acordo com o coordenador de emergência do Hospital Municipal Lourenço Jorge, André Ribeiro, idosos e mulheres dos 25 aos 35 anos e de 45 a 55 lideram o ranking da automedicação.

Entre os ‘preferidos’ estão anti-inflamatórios e analgésicos. O uso indiscriminado deles mascara o sintoma da real doença, protelando o tratamento. “É do ser humano querer controlar o próprio corpo. Por isso, a equipe precisa envolver o doente no seu tratamento”, defende Essinger.

PERIGOS

ÚLCERAS E GASTRITE
Os anti-inflamatórios, quando usados sem prescrição, podem atacar o estômago, causando úlceras e gastrite. Os analgésicos, muito consumidos por quem sofre de dor de cabeça, causam insuficiência hepática.

INFECÇÕES PIORES
Já os antibióticos administrados por conta própria e pelo tempo errado podem não tratar a infecção. E, pior, eles selecionam as bactérias mais resistentes, causando uma infecção ainda pior em pouco tempo.

HEMORRAGIAS
Pacientes que tomam medicamentos anticoagulantes, que afinam o sangue para facilitar sua circulação, não podem tomar anti-inflamatórios sem avisar seus médicos. Nesses casos, o anti-inflamatório potencializa o efeito do anticoagulante, o que pode causar hemorragias.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência