Papa envia apoio à família de mais um jornalista decapitado pelo EI

Estado Islâmico reivindicou assassinato apenas 13 dias depois da morte de forma semelhante de James Foley

Por O Dia

Cidade do Vaticano - O papa Francisco enviou um telegrama à família do jornalista americano Steven Sotloff, decapitado pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI) no último dia 2, conforme informou a Santa Sé em sua página oficial. Na mensagem, com data de 5 de setembro e assinada pelo secretário de Estado do Vaticano, cardial Pietro Parolin, o pontífice expressou profunda dor por esta "trágica morte" e fez um pedido a todas as pessoas para que rejeitem a violência, "a agressão e a falta de compaixão", e pede que todos orem e trabalhem "pelo perdão, pela reconciliação e pela paz".

O EI reivindicou a autoria da decapitação de Sotloff - de 31 anos e que acredita-se que tenha sido capturado em agosto de 2013 perto da fronteira entre Síria e Turquia -, apenas 13 dias depois do assassinato de forma semelhante de outro jornalista americano, James Foley.

Em entrevista publicada nesta terça-feira no jornal Il Mattino, o vice-presidente do Comitê Parlamentar para a Segurança da República (Copasir), Giuseppe Esposito, reconheceu que existe risco de o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) cometer um atentado contra o Vaticano, mas reforçou que esta ameaça está "sob controle".

Em julho, o autoproclamado califa do EI Abu Bakr al-Baghdadi afirmou que queria "conquistar Roma e o Vaticano". "Esta ameaça do julho foi avaliada por nossos serviços de inteligência. O Vaticano representa um inimigo para os extremistas islâmicos (...), especialmente depois dos ataques às Torres Gêmeas", sustentou Esposito, ao tempo que acrescentou que "está sob controle". Perguntado sobre o grau de confiabilidade destes riscos, o vice-presidente do Comitê assegurou que "não são apenas ameaças críveis", mas também que devem ser "avaliadas com muito cuidado".

Últimas de _legado_Mundo e Ciência