Após primeiro caso de ebola nos EUA, Obama discute medidas de isolamento

Outros quatro pacientes já foram tratados no país vindos da África, três deles se recuperaram completamente

Por O Dia

Estados Unidos - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, mobilizou uma série de esforços para tentar diminuir o risco de casos adicionais de ebola após ser informado nesta terça-feira o primeiro caso da doença diagnosticado no país, informou a Casa Branca em comunicado.

Obama se reuniu com Thomas Frieden, diretor dos Centros de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC), que divulgou nesta terça-feira a notícia de um paciente internado no Hospital Presbiteriano de Dallas (Texas) com ebola.

Primeiro caso da doença diagnosticado no país, informou a Casa BrancaReuters

O presidente e o diretor Frieden falaram dos rígidos protocolos com os quais o paciente está sendo tratado, assim como os esforços atuais para rastrear os contatos do paciente a fim de diminuir o risco de casos adicionais, afirma a nota oficial. Na conversa, Frieden informou que o CDC está preparado para um caso de ebola nos EUA e que têm a infraestrutura para responder de modo seguro e efetivo.

Anteriormente, o diretor declarou em entrevista coletiva que, aparentemente, o paciente viajou da Libéria, um dos países africanos mais afetados pelo ebola, ao Texas em 19 de setembro para visitar familiares que vivem nos Estados Unidos e mostrou sintomas cinco dias depois, quando foi internado no hospital.

Este é o primeiro paciente diagnosticado com ebola nos EUA, embora outros quatro já tenham sido tratados no país, três deles se recuperaram completamente e outro foi transferido para o Hospital Universitário de Emory há mais de duas semanas, sem que até agora se conheçam detalhes de sua condição. Até o momento, o vírus já causou a morte de mais de três mil pessoas em Serra Leoa, Libéria, Nigéria, Guiné e Senegal, segundo números oficiais da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Últimas de _legado_Mundo e Ciência