Número de doentes com câncer pode dobrar em 20 anos, dizem especialistas

Assunto é debatido nesta sexta-feira em congresso no RS

Por O Dia

Rio Grande do Sul - O número de casos de câncer no mundo pode dobrar nos próximos 20 anos. O assunto é um dos principais temas debatidos em Porto Alegre (RS), que sedia nesta sexta-feira e no sábado, no Centro de Eventos da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), a segunda edição do Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus.

O evento, além de capacitar profissionais da saúde com as últimas tendências da área, destacará a importância da integração entre as diferentes especialidades junto a oncologia no combate à doença.

Segundo o cirurgião oncológico e coordenador do fórum, Márcio Boff, atualmente há mais de 13 mil estudos publicados sobre o tema, abordando os benefícios da participação efetiva de profissionais de múltiplas especialidades médicas assim como nutricionistas, cardiologistas, fisioterapeutas, cirurgiões dentistas, fonoaudiólogos, psicólogos, entre outros.

Segunda edição do Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de DeusPatrícia Paes

O trabalho multidisciplinar, por exemplo, pode ser visto na inclusão de gastroenterologistas no tratamento a casos de câncer em órgãos do aparelho digestivo. A integração com a oncologia permite a troca de conhecimentos para planejar o melhor tratamento com o menor impacto possível ao paciente.

“Temos aprendido muito sobre como e quando o gastroenterologista se faz presente na condução de casos oncológicos, assim como eles passaram a entender as necessidades dos cirurgiões, oncologistas clínicos e radioterapeutas. Isto por si só contribuiu muito na correta maneira de tratar nosso pacientes, pois estaremos colocando eles na mão dos profissionais que apresentam a maior experiência, integração e dedicação em oncologia”, ressalta.

De acordo com Márcio Boff, não é adequado que o paciente seja analisado em separado pelos profissionais durante o combate à doença. Como já aplicada no Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus, a ideia de discutir todos os casos de câncer em reuniões multidisciplinares ajudam não só na adequação das melhores práticas, mas também em soluções mais adequadas e em menor tempo possível.

“Algumas dessas discussões acabam por sugerir alternativas personalizadas para cada paciente e certamente com melhores resultados. Entre os principais benefícios desta prática, podemos citar a otimização dos tratamentos, aumento das chances de cura e o encurtamento do tempo despendido entre a avaliação inicial e início das terapias”.

O cirurgião oncológico acredita ainda que a metodologia multidisciplinar é uma tendência mundial no combate ao câncer. “Certamente, o principal resultado que todos pacientes estão em busca é a cura, mas estamos falando de tratamento. Para isto, temos que estar pensando em múltiplas situações, para prever e amenizar o impacto das terapias, oferecendo assim o melhor tratamento e a adequação para a melhor qualidade de vida do paciente”, conclui Márcio Boff, que há 12 anos atua no Instituto do Câncer do HMD.

Durante o Congresso Multidisciplinar em Oncologia, serão realizados diversos simpósios em paralelos comandados por profissionais de todo Brasil, que abordarão questões como avanços em pesquisas clínicas oncológicas, tratamento nutricional do câncer, odontologia oncológica, radioterapia e fisioterapia, entre outros temas. Para os dois dias do evento a organização aguarda mais de mil participações.

Na abertura do congresso, o superintendente médico assistencial e presidente da Comissão do Congresso Internacional de Serviços de Saúde (Ciss), Fábio Leite Gastal, alertou que as estruturas de financiamento e gestão de assistência, tanto pelo Sistema Único de Saúde (SUS) quanto pela saúde suplementar, terão que ser, obrigatoriamente, agenda da próxima presidência da República. "Há muito atraso ainda em relação ao subfinanciamento e gestão, tanto na rede pública, quanto, principalmente, na privada", criticou.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência