Por clarissa.sardenberg
Publicado 26/10/2014 14:59 | Atualizado 26/10/2014 15:21

Uruguai - Mais de 2,6 milhões de uruguaios começaram a votar neste domingo em uma eleição presidencial que tem um partido de esquerda que está no poder tentando vencer um jovem de centro-direita que promete reverter uma lei pioneira sobre a maconha. De saída do cargo, o presidente José Mujica, um ex-guerrilheiro de 79 anos, tenta devolver o poder ao seu antecessor Tabaré Vázquez.

Mujica e Vázquez, de 74 anos, entregaram uma década de forte crescimento econômico, com Mujica legalizando o aborto, o casamento homossexual e a produção, distribuição e venda de maconha.

"Esperamos pelo melhor, o povo vai falar", disse Vázquez, que apareceu no começo da votação, às 8h (horário local), para depositar o seu voto no distrito de trabalhadores em Montevidéu, onde cresceu. Uma multidão de moradores locais, a maioria aposentados e alguns dos quais ele chamou pelo nome, apareceu para felicitá-lo.

Mujica durante votação em Montevidéu, no Uruguai, neste domingo EFE

Há seis meses, a coalizão de esquerda Frente Ampla parecia ser favorita com certa folga para assegurar um terceiro mandato de cinco anos na presidência, com suas políticas econômicas pró-mercado e medidas de bem-estar social.

Mas depois de uma vitória inesperada nas primárias do Partido Nacional, Luis Lacalle Pou, de 41 anos, passou a subir constantemente nas pesquisas, aproveitando o descontentamento de muitos uruguaios com o alcance das reformas liberais.

Pesquisas de opinião antes da eleição mostraram Vázquez vencendo, com entre 43 a 46 por cento dos votos contra 31 a 33 por cento do seu jovem rival. Mas isso o deixaria sem os 50 por cento necessários para vencer a disputa no primeiro turno, fazendo com que tivesse que enfrentar Lacalle Pou em outro pleito, no final de novembro.

"Eu não quero mais a Frente Ampla", disse a aposentada Azur Blanco, de 85 anos. "Eles esbanjam dinheiro com os pobres, dão para eles o peixe ao invés de ensiná-los a pescar. Eu também não concordo com as leis de aborto, maconha e casamento homossexual."

Lacalle Pou disse na última quarta-feira que tentaria reverter a produção regulada pelo Estado e a venda de maconha caso fosse o vencedor.

A constituição do Uruguai não permite que um presidente fique dois mandatos consecutivos no cargo.

Você pode gostar