Por tamara.coimbra

EUA - O presidente-executivo da Apple, Tim Cook, assumiu publicamente que é gay em um artigo que escreveu na revista Businessweek, da Bloomberg, publicado nesta quinta-feira. Cook nunca havia admitido sua orientação sexual.

“Ao longo da minha vida profissional, eu tentei manter um nível básico de privacidade”, iniciou. “Apple já é uma das companhias do mundo mais observadas de perto do mundo, e eu gostaria de manter o foco nos nossos produtos e nas incríveis coisas que nossos consumidores pretendem com eles.”

“Por anos, eu tenho sido aberto com muitas pessoas sobre a minha orientação sexual. Muitos colegas na Apple sabem que eu sou gay, e isso não parece fazer diferença no modo como eles me tratam”, revelou o executivo, que se tornou em 2011 o sucessor de Steve Jobs, lendário fundador da companhia.

'Tenho orgulho de ser gay%2C e considero ser gay um dos melhores presentes que Deus me deu', disse CookReuters

"Deixem-me ser bem claro: Tenho orgulho de ser gay, e considero ser gay um dos melhores presentes que Deus me deu", escreveu Cook no artigo.

Além disso o presidente-executivo diz que esta atitude de revelar publicamente sua opção sexual não é uma escolha fácil, já que dedica sua vida ao trabalho. “Parte do progresso social é a compreensão que uma pessoa não é definida apenas por sua sexualidade, raça ou gênero”. Cook diz que tem "sorte" de ser aceito em sua empresa.

“Ser gay me deu uma entendimento mais profundo do que significa ser minoria e abre uma janela que mostra os desafios que pessoas de outras minorias têm de enfrentar todo dia”, escreve.

No texto, o executivo cita ainda o líder do movimento negro Martin Luther King (1929-1968) e o ex-senador norte-americano Robert F. Kennedy (1925-1968) como pessoas que dedicaram suas vidas em ajudar outras pessoas. E que ele ficava se perguntando o que poderia fazer pelos outros.

“Eu não me considero um ativista, mas eu percebo quando eu tenho me beneficiado do sacrifício de outros. Então se ouvir que o CEO da Apple é gay pode ajudar alguém lutando para chegar à ciência de quem ele ou ela são, ou trazer algum conforto a qualquer um que se sinta sozinho, ou inspirar as pessoas a insistir em sua igualdade, então vale a pena trocar isso pela minha privacidade”, escreve Tim Cook.

“Eu não pretendo que o que eu escrevi me coloque na liga deles [de Martin Luther King e Robert F. Kennedy]. Eu estou fazendo minha parte, ainda que pequena, para ajudar os outros. Nós pavimentamos o caminho iluminado pelo sol em busca de justiça juntos, tijolo por tijolo. Esse é o meu tijolo”, completou.

Com informações da Reuters

Você pode gostar