Dor crônica precisa ser tratada

Livro mostra que incômodo que dura mais de três meses é doença e médico deve ser procurado

Por O Dia

Rio - Sentir dor não é normal e ela precisa ser tratada por um especialista. Este é o principal ensinamento do livro ‘Ufa! Chega de dor’, de Fabiola Minson, lançado na quinta-feira, em São Paulo. Coordenadora do Centro Integrado de Tratamento da Dor, a anestesiologista defende que as dores crônicas, aquelas que se estendem por mais de três meses, devem ser encaradas como doenças e receber a atenção devida por pacientes e médicos.

Dor de coluna é principal causa de afastamento do trabalho no país. Com incômodo%2C perde-se produtividade Getty Images

Atualmente, cerca de 60 milhões de brasileiros sofrem com dores, principalmente nas costas e na cabeça. Para Fabiola, o número elevado se deve ao costume que se tem em “conviver com a dor”. “Muitas pessoas demoram a procurar tratamento imaginando que a dor é algo natural do envelhecimento. Mas dor é doença e quanto mais tempo levar, mais grave o problema se torna”, aponta a especialista.

Para ilustrar o tamanho dos riscos presentes em dores normalmente negligenciadas, a médica cita o exemplo de incômodo nas costas, principal causa de afastamento do trabalho no país. “Com dor, se perde produtividade e qualidade de vida. Há quem conviva anos com o problema e fica incapaz com a degeneração da coluna”, diz Fabiola.

Embora se busque universalizar o conhecimento sobre a gravidade das dores crônicas, a especialista, por outro lado, diz ser preciso encarar cada paciente de maneira particular na hora do tratamento. “A dor é algo individual. É necessário definir precisamente a dor antes de iniciar os cuidados, que podem ser preventivos, com medicamentos ou através da prática regular de exercícios”, diz.

Além de pedir para que as pessoas busquem ajuda profissional de maneira precoce, a médica faz um último alerta. “Fazer automedicação para tratar a dor é péssimo. Ela apenas mascara o problema e, a longo prazo, provoca danos a órgãos como fígado e rins”, conclui.


Dez relatos de superação do problema

O livro apresenta dez relatos de pacientes que conseguiram deixar de sofrer com dores crônicas. Segundo a especialista, a opção pelas histórias de superação foi feita para mostrar a outras pessoas que sentir dor não é condição particular e pode ser vencida.

“Ao ler, espero que as pessoas percebam que não estão sozinhas na luta contra as dores. Tomar conhecimento sobre a doença ajuda o paciente a ter atuação mais positiva durante o tratamento e a se tornar parceiro do médico”, afirma.

Com a obra, Fabiola também pretende acabar com o mito de que o tratamento é apenas com remédios. “Tem gente que chega no consultório querendo uma pílula mágica”, diz ela, que dá dicas de atividades físicas no livro.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência