Voluntários alegram a rotina de pacientes nas unidades de saúde do Rio

Saiba como ajudar pacientes internados na rede estadual

Por O Dia

Rio - Fazer o bem sem olhar a quem. A frase que prega solidariedade e amor ao próximo se encaixa com perfeição ao espírito natalino e das festas de final de ano. E é possível transformá-la em realidade, ajudando aqueles que mais necessitam de carinho e atenção nas unidades de saúde pública do Estado do Rio, através dos programas de voluntariado da Secretaria de Estado de Saúde.

Diego%2C 29 anos%2C se veste de palhaço para alegrar o dia dos pequenos internados no Hospital da Criança%2C como Natan%2C e seus familiaresDivulgação

Atualmente, o órgão conta com parcerias com as associações Pêlo Próximo, que utiliza terapia com animais nos hospitais Anchieta, no Caju, e Eduardo Rabello, em Senador Vasconcelos, e Viva e Deixe Viver, que leva uma equipe de contadores de histórias para os pacientes do Hospital Estadual da Criança, na Vila Valqueire.

Os interessados em ajudar devem acessar os sites www.vivaedeixeviver.org.br e www.peloproximo.com.br.

Não faltam belas histórias de voluntários nos hospitais do Rio. Há um ano que o diretor de arte Diego Cardoso, de 29 anos, se transforma no palhaço Paçoquito para alegrar o dia dos pequenos internados no Hospital da Criança.

Voluntário da Trupe do Miolo Mole, o rapaz acabou construindo uma amizade que superou as paredes da clínica com Natan, primeiro paciente a passar por transplante de fígado na unidade. “Fiquei encantado com a família dele e o Bira (Ubiratan, pai da criança) fica hospedado na minha casa quando vem de São Paulo visitar o Natan”, conta o jovem.

Além dos convênios da secretaria, outros projetos surgiram através da iniciativa de voluntários. É o caso do Natal Solidário do Hemorio, ideia dos amigos Thiago Viola e Eli Santos criada há nove anos para arrecadar brinquedos e kits de higiene para os pacientes do hospital, localizado no Centro.

A distribuição deste ano ocorreu ontem. “O que fazemos aqui é uma ação de mão dupla. Não existe nada melhor do que ver uma pessoa feliz”, assegura Thiago.

Já em Paraíba do Sul, voluntárias visitam diariamente pacientes do Hospital de Traumatologia e Ortopedia Dona Lindu. A dona de casa Dercillas Monteiro é uma delas. “Uma vez, descobrimos que o acompanhante de um paciente não tinha onde ficar. Ofereci minha casa e ele ficou por dois dias. Foi ótimo”, recorda ela, participante do projeto da Pastoral da Saúde há quatro anos.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência