Equipes acham quatro grandes partes do avião da AirAsia que caiu com 162

Empresa não tinha autorização para voar no corredor aéreo utilizado no dia da queda

Por O Dia

Jacarta (Indonésia) - Quatro grandes partes do avião de passageiros da AirAsia que caiu com 162 pessoas a bordo foram identificadas por equipes de busca. A notícia foi dada neste sábado aos jornalistas que estavam em Jacarta, na Indonésia, pelo chefe da agência de busca e salvamento, Fransiskus Bambang Soelistyo.

Outra informação que pode ajudar a descobrir a causa do acidente, ocorrido no dia 28 de dezembro, veio através de um comunicado do ministério dos Transportes da Indonésia: a AirAsia não tinha autorização para voar no corredor aéreo utilizado no dia da queda do avião (Surabaya-Cingapura) e não havia pedido para alterar seu programa de voo.

Uma das equipes envolvidas nas buscas%2C que estão sendo prejudicadas por causa da baixa visibilidadeReuters

De acordo com o chefe da agência de busca e salvamento, um grande objeto foi localizado por um navio durante a noite de sexta-feira, seguido de outros dois, achados durante a madrugada. O maior deles, de aproximadamente 18 metros de comprimento, só foi encontrado na manhã deste sábado.

Uma força-tarefa multinacional de navios, aviões e helicópteros vasculha o norte do mar de Java e o litoral sul de Bornéu para tentar recuperar mais corpos de vítimas e localizar outros destroços do voo QZ8501. Até agora, 30 corpos foram encontrados, mas não há nenhum pista de onde estão as caixas-pretas contendo gravações que podem esclarecer o motivo do acidente.

Segundo as equipes de busca, a pouca visibilidade no mar está dificultando os trabalhos na região e a captura de imagens pelos veículos operacionais remotos submarinos (ROVs). A Rússia enviou dezenas de mergulhadores para participar das buscas, assim como dois aviões, um deles anfíbio. Familiares das vítimas realizaram ontem novos enterros em Surabaya, de onde partiu o avião. Na cidade foi instalado um centro de crise para a identificação dos corpos dos passageiros do Airbus.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência