Por tamara.coimbra

França - O jornal frânces Charlie Hebdo anunciou neste sábado que voltará a ampliar, de cinco para sete milhões de exemplares, o número editado após os atentados jihadistas da semana passada em Paris. O jornal, cuja tiragem habitual é de 60 mil exemplares, ampliou inicialmente a primeira tiragem após os atentados terroristas para três, cinco e finalmente sete milhões de exemplares, que venderá de forma escalonada durante dois meses.

Edição após o ataque ao jornal Charlie HebdoReuters

Além disso, seu site oferece a possibilidade de assinar o periódico, fazer uma doação ou baixar em aplicativos o último número, no qual uma caricatura de Maomé — que transformou a revista em alvo terrorista — abre o novo exemplar com um cartaz em que se lê a frase que representou o apoio do mundo a favor da liberdade de expressão: "Je suis Charlie".

A sede da revista em Paris foi atacada no último dia 7 pelos irmãos Saïd e Chérif Kouachi, que mataram 12 pessoas, inclusive o diretor do Charlie Hebdo, Stéphane Charbonnier, conhecido como Charb, e quatro dos chargistas mais famosos da França.

Você pode gostar