Em 2016, 1% da população será mais rica que os 99% restantes, diz ONG inglesa

Dados são da Oxfam, que pediu a reformulação, este ano, das regras fiscais internacionais

Por O Dia

Londres -  A partir de 2016, 1% dos habitantes mais ricos do mundo irá possuir mais da metade da riqueza no planeta. A conclusão é de um relatório sobre desigualdade de renda da ONG britânica Oxfam International publicado nesta segunda-feira. A previsão coloca pressão sobre líderes de Estado que irão se reunir no Fórum Econômico de Davos, que se inicia  na quarta-feira, na Suíça.

A organização, focada na redução da pobreza no mundo, aponta que no ano passado o 1% mais rico do mundo deteve 48% da riqueza mundial, enquanto o restante dos 52% das riquezas foi compartilhado entre as outras camadas da população. Um dado da pesquisa também mostra que os 80% mais pobres do mundo detém somente 5,5% da renda mundial. “Nós realmente queremos viver em um mundo onde 1% da população possua mais do que o resto de nós juntos?”, questionou a diretora executiva da ONG, Winnie Byanyima.

Segundo o estudo, em 2010, as 80 pessoas mais ricas listadas pela Forbes acumulavam um patrimônio de US$ 1,3 trilhão. No ano passado, esse montante havia subido para US$ 1,9 trilhão, aumento de US$ 600 bilhões de dólares em apenas quatro anos.

Para a ONG, o combate à concentração de renda passa por uma série de medidas, entre elas a redistribuição da carga tributária, o aumento dos salários mínimos, a proteção dos direitos trabalhistas e uma maior transparência tributária entre os países, acabando com o uso de paraísos fiscais.

Apesar de ter conseguido reduzir a desigualdade de renda ao longo das últimas décadas, o Brasil ainda apresenta um enorme fosso dividindo os mais ricos e os mais pobres. Segundo Marcelo Medeiros, autor de um estudo sobre desigualdade publicado no ano passado, o 1% mais rico da população brasileira detem um quarto da renda das famílias no país.

Utilizando a base de dados da Receita Federal, o pesquisador da Universidade de Brasília e do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) concluiu que a desigualdade no país é subestimada nos dados oficiais do IBGE em 11%.

“Existe muito mais renda entre os ricos do que as pesquisas mostram. Os dados do imposto de renda captam melhor o topo da pirâmide”, afirma Medeiros. Segundo Marcelo, o estudo também mostrou que desde 2006 a desigualdade no país ficou estável. O dado se confronta com a medição do IBGE, que aponta para redução da concentração de renda.

Obama quer taxar mais ricos dos EUA

O estudo da Oxfam foi publicado um dia antes do discurso anual do presidente Barack Obama ao congresso dos Estados Unidos. Durante o pronunciamento, é esperado que o presidente peça aos parlamentares que eles aprovem uma série de medidas para aumentar a carga tributária da parcela mais rica da população e de grandes empresas. Com o dinheiro, ele pretende desonerar a classe média, concedendo alguns benefícios fiscais a trabalhadores.


Últimas de _legado_Mundo e Ciência