Rei da Arábia é enterrado em cova anônima de cemitério

Tradição muçulmana prevê despedida simples. Irmão assume trono

Por O Dia

Riad, Arábia Saudita - Uma cerimônia rápida e simples marcou o funeral do rei da Arábia Saudita, Abdullah, que morreu na noite de quinta-feira. O corpo foi enterrado numa cova anônima de um cemitério público, como determina tradição.

Antes, os restos mortais, cobertos com um pano, foram levados até a mesquita Imam Turki numa espécie de maca e depositados no chão antes de um clérigo fazer orações, que se iniciaram com a tradicional invocação ‘Allahu Akbar’ (‘Deus é grande’). Estavam presentes membros da família real, incluindo o novo rei, Salman bin Abdul Aziz, irmão de Abdullah, e vários líderes de países árabes e muçulmanos.

Coberto com pano%2C corpo do rei Abdullah foi levado até a mesquita Imam Turki numa espécie de maca e depositado no chãoReuters

O cortejo até a mesquita foi acompanhado por multidão. No fim do funeral, o corpo do rei foi carregado por familiares do sexo masculino para o cemitério. A morte do rei Abdullah, 91, foi festejada por extremistas islâmicos nas redes sociais, que o consideravam um “servo dos norte-americanos”. O novo rei da Arábia Saudita Salman, 79 anos, irmão do morto, afirmou que manterá a linha política.

Uma das primeiras decisões dele foi nomear seu sucessor, o príncipe Moqren, 69. O anúncio da morte do rei levou o preço do petróleo voltar a subir após meses de queda. A Arábia Saudita é o maior exportador de petróleo do mundo e aliado e parceiro comercial dos Estados Unidos.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência