Fechar Guantánamo em dois anos será 'muito difícil', diz secretário americano

Secretário de Defesa americano não acredita que a prisão cubana irá ser desativada até o fim do mandato de Obama

Por O Dia

Washington, EUA - O secretário norte-americano da Defesa demissionário, Chuck Hagel, afirmou nesta segunda-feira que será “muito difícil” para os Estados Unidos conseguir fechar a prisão de Guantánamo até ao fim do mandato presidencial de Barack Obama.

“Vai ser muito difícil, ainda mais se o Congresso norte-americano impuser novas restrições sobre as condições estabelecidas para libertar os 122 presos que ainda estão em Guantánamo, e sobre os países de acolhimento", indicou Hagel, em declarações à rádio pública NPR.

Chuck Hagel também defendeu o adiamento da libertação de alguns prisioneirosReuters


Nas mesmas declarações, Chuck Hagel, que apresentou a demissão da liderança do Pentágono (Departamento da Defesa) em novembro do ano passado, defendeu as decisões que adiaram o processo de libertação de alguns dos presos desta prisão militar norte-americana situada na ilha de Cuba.

“Poderá ter existido uma desaceleração”, admitiu Hagel, acrescentando que tal situação tornou-o pouco popular “junto de alguns”. “Mas, fui muito claro diante do Presidente (…) e do Congresso: se a lei me deu uma responsabilidade, estou fazendo tudo o que posso [para cumprir], porque o povo norte-americano está contando com isso”, sublinhou.

A lei exige que o secretário de Defesa norte-americano certifique-se de que a libertação de um preso não provocará uma ameaça significativa à segurança nacional. Hagel explicou que “nunca analisou um dossiê” antes que todas as agências envolvidas no processo alcançassem uma posição comum.

O secretário da Defesa demissionário disse ainda que, em algumas situações, procurou garantias suplementares antes de autorizar a libertação e a transferência dos presos. Em alguns casos, foram enviadas missões aos possíveis países de acolhimento. Chuck Hagel será substituído no cargo por Ashton Carter, nomeado pelo presidente norte-americano em dezembro passado. Carter aguarda a confirmação do Senado para assumir o cargo.

Entrada da prisão de GuantánamoReprodução Internet


Ao longo dos dois mandatos presidenciais, Barack Obama tem afirmado por diversas vezes o seu empenho no encerramento de Guantánamo. Na semana passada, no discurso anual do Estado da União, o chefe de Estado norte-americano reiterou a promessa.

Quando Obama chegou à Casa Branca, em janeiro de 2009, a prisão de Guantánamo, que acolhe suspeitos de terrorismo, tinha mais de 240 prisioneiros. As libertações mais recentes ocorreram este mês. No dia 15 de janeiro, o Departamento de Defesa norte-americano anunciou que tinha transferido quatro presos para Omã e um quinto prisioneiro para a Estônia.

Guantánamo também esteve em destaque em janeiro, por causa da publicação de um livro do prisioneiro, Mohamudou Oul Slahi, de 44 anos. O diário denuncia atos de tortura, técnicas de interrogatório, ameaças de morte e humilhações sexuais.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência