Por tamara.coimbra
Jordânia - O Japão e a Jordânia continuam trabalhando em estreita colaboração para descobrir o que havia acontecido com dois de seus cidadãos detidos pelo Estado Islâmico, após o fim do prazo dado pelo grupo islamita para a libertação de uma suposta mulher-bomba que está no corredor da morte em Amã, capital da Jordânia. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse, nesta sexta-feira, que todos os esforços foram feitos para garantir a soltura do jornalista Kenji Goto.
"Estamos recolhendo e analisando informações ao mesmo tempo que pedimos a cooperação da Jordânia e outros países, fazendo todos os esforços para libertar Kenji Goto", disse ele a uma comissão parlamentar.
O jornalista Kenji Goto foi sequestrado pelo Estado IslâmicoReprodução

A Jordânia informou nesta quinta-feira que ainda estava mantendo presa a mulher-bomba iraquiana, depois do fim do prazo dado pelos militantes do Estado Islâmico, que ameaçaram matar um piloto da Jordânia, a menos que ela fosse entregue até o pôr-do-sol.

Publicidade
Uma mensagem de áudio supostamente de Goto dizia que o piloto seria morto se a Jordânia não libertasse Sajida al-Rishawi, detida por seu papel em um atentado suicida que matou 60 pessoas na capital da Jordânia em 2005.
O áudio ampliava o prazo fixado na última terça-feira em outra mensagem de Goto, na qual ele afirmava que seria morto dentro de 24 horas, se Sajida não fosse solta.
Publicidade
O chefe de gabinete de governo japonês, Yoshihide Suga, declarou na noite desta sexta-feira (horário de Tóquio) que o país estava fazendo tudo a seu alcance, mas se recusou a responder se as negociações tinham parado e se houve algum progresso.
"Estamos fazendo as coisas que temos de fazer, uma após a outra, de forma constante", disse ele em entrevista coletiva.

A crise dos reféns ocorre num momento em que o Estado Islâmico, que já divulgou anteriormente vídeos mostrando as decapitações de cinco reféns ocidentais, está sob crescente pressão de ataques aéreos liderados pelos Estados Unidos e do avanço das tropas curdas e iraquianas, que tentam expulsá-los das regiões que conquistaram no Iraque e Síria.

Parentes do piloto jordaniano mostram uma foto dele e pedem que governo negocie sua libertaçãoReuters

Jordânia exige provas

Publicidade
Cerca de uma hora antes do novo prazo acabar nesta quinta-feira, o porta-voz do governo da Jordânia, Mohammad al-Momani, disse que o país continuava mantendo Sajida presa.
"Queremos a prova de que o piloto está vivo, para que possamos prosseguir com o que dissemos ontem, trocando o prisioneiro com o nosso piloto", declarou Momani à Reuters.
Publicidade
O piloto Muath al-Kasaesbeh foi capturado depois que seu jato caiu no Nordeste da Síria, em dezembro, durante uma missão de bombardeio contra o Estado Islâmico.
Momani disse separadamente que a Jordânia estava coordenando esforços com as autoridades japonesas para garantir a libertação de Goto, um veterano repórter de guerra.