Por paulo.lima
Eugene de Kock foi condenado por sequestros%2C torturas e homicídiosReuters

Pretória, África do Sul - O governo da África do Sul concedeu nesta sexta-feira liberdade condicional a um dos mais conhecidos assassinos do regime do apartheid, Eugene de Kock, condenado por sequestros, tortura e homicídio de opositores ao regime, depois de 20 anos de prisão. "No interesse da reconciliação sul-africana, decidi conceder liberdade condicional a Eugene de Kock", informou o ministro da Justiça, Michael Masutha, em Pretória.

O ex-coronel da polícia Eugene de Kock, de 66 anos, cooperou com as autoridades para encontrar os corpos das vítimas e pediu perdão às famílias. "Ele pagou a sua dívida com a sociedade e creio que é hora de a África do Sul começar a digerir o seu passado", disse Julian Knight, advogado do 'assassino número 1' do apartheid.

As modalidades da libertação não serão divulgadas, a pedido de Eugene de Kock, acrescentou o ministro. O ex-coronel foi condenado, em 1996, a duas penas de prisão perpétua e a 212 anos de cadeia por 89 crimes e delitos cometidos quando chefiava uma unidade antiterrorista da polícia sul-africana.

A Comissão de Verdade e Reconciliação (CVR), constituída para esclarecer e eventualmente perdoar os crimes do apartheid, concedeu anistia a Kock para uma boa parte dos crimes, incluindo dois atentados a bomba e 12 homicídios de militantes opositores. A CVR recusou, no entanto, anistia a seis homicídios, por considerar que as vítimas não tinham qualquer ligação com a guerrilha contra o apartheid e não se podia alegar motivação política.

Ele ficou na prisão, enquanto os seus superiores, sobretudo Frederik de Klerk, o último presidente do apartheid e ganhador do Prêmio Nobel da Paz, viviam em liberdade. Durante o seu processo perante a CVR, Eugene de Kock, autoapelidado de "assassino de Estado", confessou detalhes de várias atrocidades cometidas pela unidade secreta de Vlakplaas (nome de uma propriedade próxima de Pretória), entre 1985 e 1993.

O ex-coronel cooperou com as autoridades para encontrar corpos de vítimasReuters

"Sou o único membro da polícia sul-africana que cumpre pena por crimes que cometi no âmbito das tentativas do Partido Nacional [no poder de 1948 a 1994] para defender o apartheid e combater os movimentos de libertação", disse Eugene de Kock, no pedido de liberdade condicional.

"Nenhum dos antigos generais ou ministros que estiveram no governo até 1990 foi julgado", acrescentou de Kock. Ele acrescentou que nunca teria cometido os crimes fora do contexto da época e, sobretudo, se não tivesse recebido ordens.
Publicidade
O ministro da Justiça sul-africano recusou, por falta de elementos suficientes, pedido de liberdade condicional de Ferdinand Barnard, condenado há 17 anos a duas penas de prisão perpétua e 63 anos de prisão pelo assassinato, em 1989, do antropólogo David Webster, um militante antiapartheid.
Michael Masutha também rejeitou pedido de liberdade, por razões médicas, do ex-deputado conservador Clive Derby-Lewis, condenado a prisão perpétua por participação no homicídio do líder do Partido Comunista sul-africano Chris Hani.
Publicidade
Masutha considerou que o dossiê médico de Derby-Lewis, que tem câncer de pulmão, apresentava irregularidades e lamentou a falta de remorsos do preso. Chris Hani foi assassinado em abril de 1993, um ano antes das eleições multirraciais que puseram formalmente fim ao regime do apartheid, ao darem a vitória a Nelson Mandela.
Você pode gostar