Egito liberta 119 presos por quarto aniversário de revolução

Além destes, 193 reclusos também podem ganhar liberdade

Por O Dia

Cairo (Egito) - Pelo menos 119 presos egípcios foram beneficiados neste domingo por um indulto presidencial devido ao quarto aniversário da revolução do dia 25 de janeiro, que levou à queda de Hosni Mubarak, e pelo Dia da Polícia no Egito, segundo a agência estatal de notícias "Mena".

Fontes explicaram à Agência Efe que as libertações correspondem às anunciadas pelo presidente egípcio, Abdul Fatah al Sisi, que há duas semanas se comprometeu a elaborar uma lista de ativistas detidos para serem libertos.

Além desses presos, segundo as fontes, foi aprovado um indulto para outros 193 reclusos, mas esses só receberão liberdade condicional. Caso cometam algum crime, também deverão cumprir a pena da qual foram exonerados.

Ainda não foi divulgado se estas listas incluem nomes de ativistas conhecidos que estão presos por violarem a lei que proíbe protestar livremente.

Ao longo dos dois últimos anos, as autoridades egípcias prenderam vários ativistas, assim como líderes e seguidores da Irmandade Muçulmana. O grupo, considerado terrorista, exige a volta do presidente islamita Mohammed Mursi, deposto pelo Exército no dia 3 de julho de 2013.

O Egito deportou neste domingo o jornalista australiano Peter Greste, da emissora "Al Jazeera", que havia sido condenado à prisão em junho de 2014 junto a dois companheiros por danificar a imagem do país e colaborar com a Irmandade Muçulmana.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência