Por victor.duarte

Canadá - A Suprema Corte do Canadá decidiu nesta sexta-feira legalizar a eutanásia em pacientes terminais no país e deu um prazo de um ano para que as autoridades incorporem a medida às leis canadenses. Em 1993, o tribunal negou o direito ao suicídio assistido ao rejeitar a demanda de Sue Rodríguez, uma mulher que se encontrava em estado terminal e que reivindicava o direito de cometer eutanásia.

Os nove juízes do Supremo canadense, máxima autoridade judicial do país, votaram em favor de reverter a decisão de 1993 e assinaram de forma conjunta a resolução, algo que os analistas em assuntos legais do país consideraram incomum e com o objetivo de reforçar o consenso.

Os juízes explicaram em sua decisão não concordarem com a "formulação existencial de que o direito à vida requer uma absoluta proibição à morte assistida ou que os indivíduos não podem 'renunciar' ao seu direito à vida".

"Isto criaria um 'dever de viver' ao invés de um 'direito à vida' e questionaria a legalidade de qualquer consentimento à retirada ou negativa de tratamentos para salvar vidas ou manter a vida", acrescentou a Suprema Corte.

Você pode gostar