Por paulo.lima

Japão - O governo do Japão confiscou o passaporte de um fotógrafo que se dispunha a viajar para a Síria para cobrir o conflito civil, uma medida destinada segundo as autoridades a "proteger sua vida", informou neste domingo a imprensa local.

As autoridades tomaram esta decisão após o sequestro e execução de dois cidadãos japoneses por parte do grupo extremista Estado Islâmico, que também ameaçou assassinar cidadãos japoneses "seja onde for que estiverem".

Trata-se da primeira vez que o Ministério das Relações Exteriores retira por motivos de segurança o passaporte de um cidadão japonês que se dispunha a viajar ao exterior, segundo disseram fontes governamentais à agência local 'Kyodo'.

O fotógrafo freelance Yuichi Sugimoto, criticou esta medida ao considerar que "infringe a liberdade de expressão", segundo disse ao citado meio. O Ministério, por sua vez, assinalou que aplicou a legislação que contempla a retirada do passaporte de um cidadão "para impedir que viaje e com o objetivo de proteger sua vida".

As autoridades souberam da intenção de Sugimoto de viajar à Síria para cobrir o conflito ao ler uma entrevista que concedeu a um meio japonês, e decidiram confiscar seu passaporte depois que o fotógrafo se negou a cancelar seus planos, segundo a emissora estatal "NHK".

Você pode gostar