Dominique Strauss-Kahn encerra último depoimento e volta a negar acusações

Ex-diretor-gerente do FMI voltará ao tribunal na próxima semana para a segunda fase do julgamento

Por O Dia

França - Dominique Strauss-Kahn concluiu nesta quinta-feira seu último depoimento como acusado de agenciamento de prostitutas no Tribunal Correcional de Lille, na França, e voltou a negar que sabia da existência de garotas e programa nas orgias que participou quando quando era diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Começa o julgamento de Strauss-Kahn, ex-chefe do FMI, acusado de crimes sexuais

Strauss-Kahn diz que não sabia que mulheres em orgias eram prostitutas

Strauss-Kahn, de 65 anos, afirmou que ninguém contou a ele que mulheres tinham sido contratadas para participar das festas, realizadas entre 2007 e 2011, e manter relações com ele e seus amigos em cidades como Lille, Washington e Paris.

Ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI)%2C Dominique Strauss-Kahn%2C chega ao julgamentoEfe

Neste terceiro dia de interrogatórios, o ex-ministro francês de Finanças foi perguntado sobre a utilização de termos como "material" e "presente" para se referir às mulheres que participaram das orgias. Strauss-Kahn respondeu que eram mensagens curtas e concisas e que não acreditava que não deviam aparecer em outro contexto.

Durante o julgamento, foram lidos sete mensagens de texto que Strauss-Kahn, conhecido na França como DSK, trocou com o empresário Fabrice Paszkowski, que faz parte dos 12 homens e duas mulheres acusados de terem contratado prostitutas para as festas.

"Quer vir comigo e com o material descobrir uma magnífica e sem-vergonha discoteca de Madri", disse um amigo de DSK para ele uma das mensagens. Segundo Strauss-Khan, esse tipo de texto demonstra que ele era convidado para as festas mas não era nem o incentivador nem um dos organizadores, por isso não podia saber que algumas das mulheres que participavam das orgias eram prostitutas e estavam cobrando para manter relações sexuais.

Strauss-Kahn, que pode ser condenado a uma pena máxima de 10 anos de prisão e 1,5 milhão de euros de multa, voltará ao tribunal na próxima semana para a segunda fase do julgamento

Últimas de _legado_Mundo e Ciência