Por felipe.martins

Rio - O Alto Comissariado da das Nações Unidos para os Refugiados (Acnur) confirmou nesta quarta-feira que pelo menos 300 pessoas morreram esta semana em consequência de naufrágios de três barcos infláveis em que estavam no Mar Mediterrâneo, entre a Líbia e a Itália. Segundo o organismo, eles partiram da África tentando chegar à Europa e pedir asilo.

Na terça-feira, outro barco, com 100 passageiros, foi resgatado pela Guarda Costeira da Itália. Nele, 29 pessoas morreram por causa do frio. Os sobreviventes foram levados à Ilha de Lampedusa, na Itália.
Carlotta Sami, porta-voz da Acnur na Itália, disse ontem que os sobreviventes informaram que os outros três barcos que faziam parte do grupo naufragaram no Canal da Sicília. Ontem, equipes de resgate fizeram buscas na região, mas não encontraram os corpos nem vestígios dos barcos.

Imigrantes estavam em três embarcações que teriam partido da costa da Líbia e enfrentaram mau tempoReuters

A suspeita é de que não houve sobreviventes porque faz muito frio na região, e a água está com temperatura muito baixa. Os responsáveis pelo resgate acreditam que os corpos tenham sido carregados pela correnteza para diferentes pontos do Mar Mediterrâneo.

Ao saber da confirmação das mortes, o Papa Francisco divulgou comunicado no qual diz estar acompanhando “com preocupação” as notícias sobre os naufrágios. Em visita a Lampedusa em 8 de julho de 2013, o pontífice criticara os países europeus pelo descaso com os imigrantes e com os naufrágios que matam milhares de pessoas na travessia da África. Na época, ele disse que estava lá para chorar os “mortos que ninguém chora”.

Ainda na quarta, a Anistia Internacional responsabilizou a União Europeia pelas mortes. Segundo a entidade, europeus “enfiam a cabeça na areia” para não ver a situação, em alusão à retirada do Mediterrâneo de barcos de patrulhamento que prestavam ajuda humanitária aos imigrantes. “A crise humana que levou à necessidade da operação não desapareceu”, disse o diretor europeu da ONG, John Dalhuisen.


Você pode gostar