Jovem que passeava com oposicionista russo não viu quem cometeu o crime

Investigadores acham que assassinato de Nemtsov pode ser uma vingança pessoal ou tentativa de desestabilizar o país

Por O Dia

Rússia - A jovem ucraniana que acompanhava o líder opositor russo Boris Nemtsov quando ele foi assassinado na sexta-feira perto do Kremlin disse nesta segunda-feira que não viu os autores do crime. "Não sei de onde veio o assassino. Não o vi, já que tudo ocorreu às minhas costas", afirmou a modelo Anna Duritskaya ao canal de televisão "Dozhd".

Duritskaya, quem passeava com o opositor quando Nemtsov foi atingido por vários disparos nas costas em uma ponte situada em frente à Catedral de São Basílio, contou que o a única coisa que conseguiu ver foi um "um carro de cor claro".

"Não vi nem o modelo nem a placa do automóvel que fugiu. Também não vi como o assassino entrou no carro", explicou. A mulher, que por enquanto foi impedida de deixar a Rússia, disse ainda que não reparou em ninguém seguindo os dois. Sobre os motivos do assassinato, que a oposição relaciona à atividade política de Nemtsov, Duritskaya também descartou que a razão fosse ciúmes.

Mais de 70 mil marcharam em Moscou, em homenagem a Boris Nemtsov%2C morto na última sexta-feiraEFE

A modelo negou que Nemtsov tenha recebido ameaças por esse motivo, embora, segundo seu advogado, o opositor recebeu várias ameaças de morte. O Comitê de Instrução da Rússia, que ofereceu uma recompensa de três milhões de rublos (US$ 50 mil) por "informação valiosa", trabalha com várias hipóteses sobre os possíveis motivos do assassinato.

Os investigadores não descartam que o assassinato do líder opositor seja uma tentativa de desestabilizar a situação na Rússia ou vingança pessoal. Nemtsov era um dos maiores críticos da atuação da Rússia nos assuntos internos da Ucrânia e tinha denunciado que milhares de soldados russos combatiam ao lado dos separatistas. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, afirmou hoje que "esse vil crime será investigado com todo o vigor da lei para garantir que os responsáveis sejam julgados".

Últimas de _legado_Mundo e Ciência