Estado Islâmico mata 137 pessoas em ataques a mesquitas no Iêmen

Estado Islâmico assumiu a autoria dos atentados. Mais de 250 pessoas ficaram feridas no ato terrorista

Por O Dia

Iêmen - Homens-bomba do grupo Estado Islâmico se explodiram durante as orações de sexta-feira em duas mesquitas utilizadas por apoiadores de rebeldes xiitas em Sanaa, capital do Iêmen, matando 137 pessoas e ferindo mais de 300, disseram fontes médicas, o ataque militante mais mortífero no país em anos.

Quatro homens-bomba com cintos repletos de explosivos visaram fiéis dentro e fora das mesquitas lotadas. As explosões em Sanaa aconteceram enquanto aviões de guerra não identificados atacavam o palácio presidencial em Áden, cidade do sul iemenita, pelo segundo dia.

Armas anti-aéreas dispararam contra duas aeronaves que soltaram bombas em uma área que inclui a residência do presidente, Abd-Rabbu Mansour Hadi. Ele não ficou ferido, afirmaram fontes da presidência.

Atentado no Iêmen deixou 126 mortos e mais de 250 feridos durante as orações no templo nesta sexta-feira Reuters

Guerra política 

O Iêmen está dividido por uma disputa de poder entre os rebeldes houthi apoiados pelo Irã no norte e Hadi, que estabeleceu uma sede de poder rival no sul respaldado por países liderados por sunitas no Golfo Pérsico.

É sabido que as mesquitas de Sanaa são usadas sobretudo por apoiadores dos xiitas houthi, grupo que controla a maior parte do norte do Iêmen, incluindo Sanaa.

A ascensão dos houthi ao poder em setembro último aprofundou as divisões na complexa rede de alianças políticas e religiosas do país.

Uma testemunha afirmou ter ouvido duas detonações sucessivas na mesquita de Badr, localizada em uma vizinhança movimentada do centro da capital.

Grupo terrorista Estado Islâmico reivindicou autoria do atentado em mesquitas no Iêmen Reuters

“Estava indo orar na mesquita, aí ouvi a primeira explosão, e um segundo depois ouvi outra”, disse a testemunha à Reuters.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, repudiou “os ataques terroristas” no Iêmen e pediu que todos os lados “cessem imediatamente todas as ações hostis e se contenham ao máximo”, de acordo com um comunicado da ONU.

Nota do Brasil

O governo brasileiro se manifestou em nota sobre o atentado no Iêmen: 

"O Governo brasileiro condena, com veemência, os atentados perpetrados hoje em duas mesquitas de Sanaa, capital da República do Iêmen, que resultaram em dezenas de mortos e centenas de feridos. O Governo brasileiro conclama todos os atores políticos iemenitas à abstenção de atos que possam provocar a radicalização do processo político, bem como a perseverar no diálogo como forma de encaminhamento das questões relacionadas à crise institucional daquela nação árabe", diz o comunicado. 


Últimas de _legado_Mundo e Ciência