Mulher perde 44 quilos após a filha desenhá-la ‘gordinha’

Inglesa troca sanduíches e salsichas por iogurtes, frutas e outras comidas saudáveis

Por O Dia

Inglaterra - Não foi o espelho, nem aquela calça que não entrou que motivou a inglesa Caroline Pugh a perder 44 quilos, mas um desenho feito pela filha de 6 anos. Ao ser retratada pela pequena como uma ‘bolha de gordura’, a mulher de 33 anos percebeu que era hora de trocar batatas fritas e salsichas por uma dieta mais saudável.

O caso dela, no entanto, não é isolado. Especialistas garantem que os filhos têm o ‘poder’ de influenciar as decisões de seus pais.

Mãe de três crianças, Caroline, que pesava 120 quilos, conta que o desenho, que tinha outros membros da família, não foi o primeiro ‘sinal’ — ela quebrou uma cadeira quando estava grávida de quatro meses do terceiro filho —, mas sim o estímulo final para iniciar a dieta.

Segundo Caroline, com três crianças para cuidar, a aparência não era prioridade. “Eu não imaginava que minha filha me me via tão grande. Quando eu vi o desenho, percebi que, realmente, tinha que fazer alguma coisa para perder peso”, disse ao jornal ‘Daily Mail’.

Antes do desenho da pequena Daisy, a gerente de armazém, que mora na cidade de Wolverhampton, pulava o café da manhã e tinha alimentação repleta de comidas gordurosas. Ela sempre comia batata frita e mais de três sanduíches ou salsichas no almoço. E, no jantar, sempre pedia pizza.
Agora, opta por iogurte, cereais sem gordura, leite desnatado e frutas. Além disso, decidiu se juntar a um grupo do vigilantes do peso.

A inglesa conta que se sente mais saudável e com mais disposição para cuidar das crianças. “Agora, meus filhos me desenham com uma aparência linda e magra. Eu não sou mais uma mamãe gordinha”, comemora.

Um dos motivos dessa influência dos pequenos, explica Andreia Calçada, psicóloga e psicoterapeuta, é o fato de os responsáveis quererem ser bons exemplos e modelos para os filhos. A mudança nos mais velhos pode ocorrer também para garantir a saúde das crianças, como no caso de pais que param de fumar.

Andreia explica que, muitas vezes, o adulto busca terapia porque percebe algum comportamento seu que prejudica o filho. “A criança é como um espelho que reproduz as atitudes dos pais”.

A especialista lembra que os responsáveis devem sempre ouvir as considerações dos filhos com atenção, mas sem deixar de checar. “Nem sempre o que a criança fala é real. Ela fantasia e, às vezes, até mente para o adulto”.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência