Uso de celular e rede wi-fi pode causar náuseas e dores

Hipersensibilidade eletromagnética é nova doença em estudo por especialistas

Por O Dia

Rio - No seriado ‘Better Call Saul’, lançado em fevereiro, o personagem Chuck vive recluso, sem celular, eletricidade e qualquer tipo de modernidade, como redes wi-fi . E basta o menor contato com a tecnologia para que ele sofra males como náusea, falta de ar e dores. A reação não é uma cena fictícia, mas retrata a chamada hipersensibilidade eletromagnética. A existência do problema, ainda pouco conhecido, divide especialistas.

Os portadores do problema não conseguem ficar perto de aparelhos que emitam ondas eletromagnéticas. Quando expostos à eletricidade, sentem reações na pele, zumbido, vertigem, falta de ar e queimação. Dores de cabeça, perda de memória e fadiga são outros sintomas.

Álvaro Augusto de Salles, engenheiro do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, defende a existência da hipersensibilidade. Ele explica que os portadores da doença têm a capacidade de perceber quando estão em campos eletromagnéticos — como áreas com wi-fi. Alterações no organismo, como as que fazem surgir problemas no sistema nervoso, seriam a explicação para os sintomas que dos pacientes.

Mas, para o especialista, há um benefício no transtorno. Ele explica que essas pessoas já sentem desde o início os efeitos das ondas, não toleram boa parte da tecnologia e, com isso, mudam de ambiente antes de desenvolverem males ainda mais graves. “A exposição prolongada a celular e wi-fi, por exemplo, pode trazer câncer e problemas de fertilidade”, alerta.

A Organização Mundial de Saúde não reconhece a oficialmente a hipersensibilidade como doença, assim como alguns neurologistas.

Origem psicológica do mal é minoria

No seriado, exibido pela Netflix (serviço de TV por internet), há dúvidas se o problema de Chuck é real ou simulação. Segundo Álvaro, é pequena a porcentagem de casos de origem ‘psicológica’. Segundo o engenheiro, as pessoas podem nascer com a hipersensibilidade ou desenvolvê-la ao longo da vida.

“Os pacientes não conseguem ficar com o celular. Também sentem-se mal se morarem perto de estações base de celular”, aponta, acrescentando que, na Europa, há sistema de blindagem da casa de hipersensíveis que moram em locais ‘de risco’.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência