Caixa-preta de avião que caiu no Sul da França está danificada

Ministro diz que trabalho para recuperação de dados sobre acidente aéreo que matou 150 pessoas será longo

Por O Dia

França - A caixa-preta do Airbus A320 da Germanwings, que caiu nesta terça-feira nos alpes franceses, está danificada, informou o ministro do Interior da França, Bernard Cazeneuve, nesta quarta-feira. Porém, apesar dos danos, as autoridades acreditam que ela seja "utilizável".

Já os especialistas da Agência de Investigações e Análises para a Segurança da Aviação Civil (BEA) disseram que os trabalhos com a caixa-preta "podem demorar mais tempo do que o previsto por causa dos danos".

Galeria: Avião cai com 150 pessoas a bordo no Sul da França

Caixa-preta é encontrada danificadaReuters

Segundo eles, a unidade recuperada irá revelar "as vozes do piloto, do co-piloto e também o barulho interno, o motor e os alarmes que foram ativados". A outra peça, com o "detalhamento técnico do voo", ainda está sendo procurada pelas equipes de buscas na área da queda do avião. Além da procura pela unidade, os socorristas estão focando as buscas pelos restos mortais das 150 vítimas do acidente e querem "restituí-los, brevemente, às famílias". Os bombeiros já localizaram vários corpos e devem começar a retirá-los do local ainda nesta quarta.

Tripulantes da Germanwings se recusam a voar e empresa cancela voos

Como o ponto da queda é de difícil acesso, a previsão das autoridades é que as buscas durarão vários dias. "A zona é íngreme e as operações são complexas. Estamos levando todo o material necessário para realizar diversas atividades e, para efetuar a transferência dos restos mortais e das peças, será preciso muitos voos", disse um dos socorristas.

Dados do voo

A segunda caixa preta, responsável por gravar os dados de voo ainda não foi localizada. Cerca de 25 horas de informações sobre a posição e condição de quase todos os principais parte em um avião estão contidas no equipamento.

Destroços do avião ficam espalhados pelos Alpes francesesReuters

Com o conteúdo dos registradores de vôo, os investigadores vão tentar esclarecer as muitas dúvidas sobre o acidente."Nós não sabemos ainda o motivo da falha na comunicação entre o controle de tripulação e de tráfego aéreo, que tomou a iniciativa de declarar a aeronave em perigo, ou as circunstâncias da queda que durou oito longos minutos. "Nesta fase nós acreditamos que é um acidente e tudo mais seria especulação", disse Heike Birlenbach, vice-presidente da Lufthansa, em uma conferência de imprensa em Barcelona.

Nas próximas horas, familiares das vítimas o presidente François Hollande, a chanceler alemã Angela Merkel e o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy devem chegar ao local do desastre.

Buscas são retomadas

A operação de buscas foi retomada na manhã desta quarta-feira para localizar os restos de 150 vítimas do acidente com uma aeronave da companhia aérea alemã Germanwings que caiu terça no sul dos Alpes franceses. Helicpóteros sobrevoam a região sob céu nublado e com temperaturas pouco acima de zero.

Equipes de resgate retomam buscas no local de queda do Airbus A320Reuters

Segundo o jornal francês "Le Monde", mais de 300 policiais e 380 bombeiros foram mobilizados dada a dispersão de destroços da aeronave em quase 4 hectáres de uma região remota e montanhosa, situada entre Digne e Barcelonnette (Alpes-de-Haute-Provence).

Entre os inúmeros detritos, nenhuma parte maior da fuselagem foi avistada. "Apenas o trem de pouso pode ser identificado", disse um investigador da guarda civil. "As maiores partes de corpo que foram identificadas não são os maiores que uma maleta", acrescentou um dos seus colegas.

Vítimas

Além dos 45 passageiros com sobrenome espanhol e dos 67 alemães que estavam no voo, diversos países afirmam que seus cidadãos estavam voando com a companhia aérea alemã.

O Japão está buscando mais informações sobre dois japoneses que moravam em Barcelona. Já o governo de Israel confirmou que Eyal Baum, 39 anos, que morava na capital catalã, está entre as vítimas.

Alunos da cidade de Haltern fazem homenagens as vítimas do acidenteReuters

Ao menos três cidadãos do Cazaquistão também estavam se dirigindo a Dusseldorf com a Germanwings e o ministro britânico das Relações Exteriores confirmou que "ao menos" três ingleses estavam na aeronave. Holanda, Colômbia e Austrália também informaram que cidadãos de seus países perderam as vidas na queda do voo.

Escola Haltern

A escola na pequena cidade de Haltern ainda está em choque e os alunos choram a morte dos 16 amigos e das duas professoras que morreram nesta terça-feira. Um dos estudantes afirmou que "hoje todos estamos sós" ao falar da tragédia que atingiu o município de 37 mil habitantes.

O Airbus A320, da Germanwings, partiu de Barcelona, na Espanha, e tinha como destino final a cidade de Dusseldorf, na Alemanha. Das 150 pessoas que estavam a bordo, 144 eram passageiros e seis eram tripulantes.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência