Por felipe.martins

RIo - O promotor do Ministério Público de Marselha, Brice Robin, anunciou neste domingo que peritos franceses já isolaram o DNA de 78 das 150 pessoas que estavam a bordo do A320 da Germanwings que caiu nos Alpes franceses, na semana passada — a suspeita é de que o copiloto Andreas Lubitz tenha derrubado a aeronave de forma deliberada. Nenhum passageiro foi identificado até agora, o que será feito posteriormente, em Paris, com a comparação das amostras recolhidas no local da tragédia com as quase cinco mil fornecidas pelos parentes.

Equipe de resgate inspeciona restos da aeronave no local do acidenteReuters

O dispositivo médico, psicológico e logístico de apoio às famílias das vítimas do acidente do avião é mantido em funcionamentos nos Alpes franceses. Os profissionais contam com 50 voos de helicóptero diários e 50 pessoas trabalhando em terra. A previsão é de que se abra um caminho para que veículos tenham acesso ao local onde estão os destroços.

Neste domingo, o jornal alemão ‘Bild’ revelou detalhes das gravações da primeira-caixa preta encontrada. O piloto do avião pediu aos gritos para que o copiloto abrisse “a maldita porta” enquanto tentava derrubá-la. Ao fundo, é possível ouvir os gritos dos passageiros. Ainda segundo o jornal, é possível que Lubitz tivesse deslocamento de retina.

O Papa Francisco, durante missa do Domingo de Ramos, pediu à virgem Maria que “acolha as vítimas da tragédia aérea de terça-feira, entre as quais havia também um grupo de estudantes alemães”.

Você pode gostar