Por bferreira

Rio - Em meio a celulares multifuncionais e viagens a outros planetas é difícil acreditar que tenha sobrado alguma referência aos seres humanos que viveram há milhões de anos. Mas nossos antepassados têm inspirado muita gente em uma atividade essencial: comer. É a dieta paleolítica, baseada na alimentação adotada antes da modernidade e, por isso, só com alimentos naturais.

A ideia principal é ingerir comidas que poderiam ser caçadas ou coletadas. “A proposta é simular com os alimentos disponíveis hoje uma dieta parecida com aquela com a qual o homem evoluiu”, explica o médico e autor do maior blog sobre o assunto, José Carlos Souto. E isso exclui do cardápio pão, biscoito, açúcar, refrigerante, farinha, grãos (milho, aveia e trigo, por exemplo) e até o tradicional arroz com feijão de cada dia.

O critério que define o que é ou não ‘paleo’ é ser um alimento de ‘antes da agricultura’, já que foi o surgimento dessa prática que pôs fim à era paleolítica. A lista inclui qualquer tipo de carne, vegetais, frutas e ovo. Para beber, água e chá. Liberar batata, inhame e café não é consenso entre os seguidores do estilo. “Na dieta ‘paleo’ tradicional, não há leite, nem laticínios, mas eu não vejo problema em comer queijo e iogurte, se a pessoa tolerar bem”.

Segundo ele, simular a alimentação dos ancestrais poderia nos livrar dos males da modernidade, como hipertensão, diabetes, síndrome metabólica e câncer. A dieta paleolítica pode ser usada ou não para redução de peso, mas, no caso de haver a intenção de afinar a silhueta, o consumo de carboidrato e de frutas muito doces deve ser reduzido.

Coordenadora de Nutrição do Centro Universitário Celso Lisboa, Mariana Catta-Preta aponta que não é recomendado suprimir os grãos, já que eles são uma das principais fontes de carboidrato. Ela lembra que são recomendados 330 gramas por dia do nutriente que fornece energia para as atividades diárias. “A pessoa pode perder peso, mas não de forma saudável, porque não ingere todos os nutrientes. A longo prazo, pode haver a perda de músculos do corpo”.

A nutricionista alerta ainda que os seguidores da dieta ‘paleo’ não devem consumir carne vermelha em excesso, o que pode aumentar o colesterol.

Você pode gostar