Por bferreira

EUA - Um ex-agente da polícia rodoviária do Estado de Ohio, nos Estados Unidos, foi condenado a cinco anos de prisão, na quinta-feira, por ter forçado motoristas mulheres a fazerem sexo com ele para que elas não fossem multadas ou presas.

Bryan D. Lee, 31 anos, se declarou culpado em outubro por quarto acusações de violação dos direitos civis das mulheres. Ele também admitiu uma acusação de perseguição virtual, envolvendo mensagens ameaçadoras enviadas para uma outra mulher.

A promotoria federal afirmou que o ex-policial forçava as mulheres a fazer sexo com ele enquanto elas estavam algemadas ou sob ordem de prisão. Ele também fotografou alguns dos atos. Por isso, inclusive, acabou sendo descoberto. Durante uma inspeção de rotina na câmera instalada em seu carro havia uma gravação em que ele podia ser ouvido fazendo perguntas ‘estranhas’ a duas mulheres – como de onde elas eram e para onde iriam. Em seguida, ele desligou o microfone. Lee também fez uma foto de uma mulher sem blusa em troca de retirar acusações contra ela. O advogado do ex-policial, Jonathan Tyack, pediu no julgamento que a pena fosse de liberdade condicional, alegando que Lee estava fazendo tratamento psicológico e não iria infringir a lei novamente.

O policial foi colocado em trabalho interno com o início das investigações, e pediu demissão em novembro de 2013, antes de ser mandado embora.

Você pode gostar