Por felipe.martins

Katmandú - Mil cidadãos da União Europeia (UE) continuam desaparecidas no Nepal e 12 foram mortas, cerca de uma semana após o forte terremoto ter deixado mais de 6 mil mortos no país. “Não sabemos onde eles estão ou poderiam estar”, disse o embaixador da UE Rensje Teerink a repórteres. Segundo ele, os desaparecidos eram, em sua maioria, turistas nas regiões de Langtang e Lukla.

Langtang é formada por trilhas no norte de Katmandu e foi atingida por uma enorme avalanche e deslizamento de terra, e Lukla um local em que montanhistas param para o campo base do Everest.

Resgatistas continuam as buscas. Segundo a ONU%2C oito milhões de habitantes foram afetados pela tragédiaReuters

Resgatistas continuam as buscas para resgatar sobreviventes. De acordo com a ONU, oito dos 28 milhões de habitantes do Nepal foram afetados pela catástrofe, incluindo 1,7 milhão de menores. por enquanto, apenas US$ 6 milhões dos US$ 415 milhões planejados pela ONU em uma operação de três meses chegaram ao país. O ministro das Finanças do país, Ram Sharan Mahat, alegou que ao menos US$ 2 bilhões serão necessários para reconstruir casas, hospitais, prédios de governo e monumentos históricos.

“Esta é apenas uma estimativa inicial, porque ainda levará um bom tempo para conseguirmos verificar a extensão do dano e calcular o custo da reconstrução”, afirmou</CW>.

Nesta quinta-feira, uma sobrevivente foi retirada dos escombros de um prédio que havia desmoronado na capital, cinco dias após o terremoto. Os socorristas trabalharam durante toda a noite para salvar a mulher, uma cozinheira de cerca de 30 anos, o segundo resgate deste tipo em um dia depois que um adolescente de 15 anos foi salvo em outro hotel a poucas ruas de distância.Soldados nepaleses e uma enorme equipe de especialistas de França, Noruega e Israel que ajudaram na remoção comemoraram o resgate.


Você pode gostar