Por felipe.martins

Baltimore - A promotora chefe de Baltimore, Marilyn Mosby, disse nesta sexta-feira que seis policiais serão indicados pela morte do jovem negro Freddie Gray, de 25 anos, há uma semana após ser preso. A morte do rapaz gerou protestos violentos na cidade, que chegou a declarar toque de recolher nesta semana.

Marilyn Mosby disse ainda que Freddie pediu duas vezes por ajuda médica no trajeto entre o local onde foi preso e o departamento de polícia. Ela chamou a morte de homicídio. O jovem foi ferido em algum momento entre sua prisão, em 12 de abril, por porte de canivete, e sua chegada à delegacia.

Marilyn Mosby disse que jovem pediu duas vezes por ajuda médica Reuters

A morte de Gray em 19 de abril se tornou o mais recente ponto de fúria num debate nacional sobre o uso da força policial letal e as relações raciais, desencadeando manifestações e uma noite de tumultos em Baltimore, no Estado norte-americano de Maryland.

Os protestos se espalharam para outras grandes cidades na quarta-feira, uma reprise das manifestações do ano passado depois de assassinatos de homens negros desarmados cometidos pela polícia em Ferguson, no Estado de Missouri, Nova York e outros lugares.

Mosby, uma afro-americana eleita em novembro, disse que sua equipe foi regularmente informada por investigadores da polícia durante o andamento do inquérito, e, ao mesmo tempo, seu gabinete conduziu sua própria investigação independente.

“Não estamos contando apenas com as conclusões deles, mas também com os fatos que temos recolhido e verificado”, disse Mosby em comunicado. “Pedimos ao público que se mantenha paciente e pacífico e confie no processo do sistema judicial”, ressaltou a promotora.

Você pode gostar