Florestas podem ‘sumir do mapa’ em 11 regiões do mundo

Locais vão concentrar mais de 80% do desmatamento até 2030, diz estudo

Por O Dia

Rio - Mais de 80% da perda mundial de florestas até 2030 vão se concentrar em 11 regiões — três delas no Brasil. Os dados são do ‘Relatório Florestas Vivas’, da Rede WWF. Os locais têm algumas das maiores riquezas de biodiversidade, inclusive espécies ameaçadas de extinção. “Imagine uma floresta que se estende através da Alemanha, França, Espanha e Portugal, e que seja destruída em apenas 20 anos”, exemplifica Rod Taylor, diretor do Programa Mundial de Florestas da Rede WWF.

Clique na imagem para ver o infográfico completoArte O Dia

“Estamos examinando como se pode assegurar que as florestas continuem a estocar carbono, filtrar nossa água, fornecer madeira e servir de habitat para milhões de espécies”, acrescenta. Segundo o documento, a perda florestal precisa ser reduzida até alcançar o nível quase zero até 2020, de forma a evitar a ocorrência de mudanças climáticas perigosas e perdas econômicas.

O relatório aponta que a maior causa do desmatamento é a expansão agrícola — inclusive a pecuária comercial, a produção de óleo de palma (azeite de dendê) e de soja, assim como a agricultora de pequena escala. A extração não-sustentável de madeira e a coleta de lenha também contribuem para o problema, assim como a abertura de novas rodovias.

“As ameaças sobre as florestas vão além de uma empresa ou indústria e muitas vezes atravessam as fronteiras nacionais. Elas exigem soluções que levem em conta toda a paisagem”, afirma Taylor, que conclui: “Isso significa uma colaboração na tomada de decisão sobre o uso da terra, levando em conta as necessidades das empresas, das comunidades e da natureza”.

Um dos principais locais do mundo afetados é a Indonésia. A Ilha de Sumatra perdeu mais da metade de suas florestas devido às plantações para suprir as indústrias de papel e de óleo de palma. Projeções da Rede WWF mostram que até 2030 a perda florestal atingirá outros 5 milhões de hectares de florestas.

Extração não-sustentável de madeira e coleta de lenha contribuem para o problema%2C entre outros fatoresReprodução

Amazônia, Mata Atlântica e Cerrado em perigo 

Amazônia, Mata Atlântica e Cerrado são três biomas brasileiros mencionados no relatório. Mais de 34 milhões de pessoas vivem na região Amazônica, com 6,7 milhões de km², compartilhada entre nove países. Há 385 grupos indígenas, 60 dos quais em isolamento voluntário. As principais ameaças são especulação e apropriação ilegal de terra (grilagem), agricultura mecanizada em grande escala, pecuária extensiva e infraestrutura de transportes.

Outro bioma que aparece no relatório é a Mata Atlântica, que convive hoje com ambientes urbanizados, onde se concentram mais de 120 milhões de brasileiros (75% da população) e atividades econômicas que respondem por mais de 70% do PIB nacional, como a agropecuária. O Cerrado tem como principais ameaças a expansão de pasto para criação de gado e os monocultivos de eucaliptos e de soja.



Últimas de _legado_Mundo e Ciência