Por tamara.coimbra

Colômbia - As equipes de resgate procuram por mais corpos nesta terça-feira e ajudam centenas de sobreviventes vítimas de uma inundação e deslizamento de terra desencadeados pelas fortes chuvas que varreram uma cidade colombiana, levando embora casas e pessoas. A avalanche de lama e detritos rugiu o município de Salgar, Antioquia (Noroeste da Colômbia), antes do amanhecer desta segunda-feira, deixando cerca de 61 mortos e 37 feridos. As autoridades disseram que um número indeterminado de moradores ainda está desaparecido.

As autoridades, que em seu boletim inicial tinha reportado 30 famílias afetadas e 31 casas danificadas, temem que o número de mortos aumente, pois a região, declarada zona de calamidade pública, está inundada e coberta de barro e escombros.

Moradores se deram conta do violento deslizamento de terra ainda de madrugada, quando um estrondo foi seguido por gritos de "o rio! o rio" enquanto barracos e pontes eram puxadas para dentro do desfiladeiro Libordiana.

"Eram pedras e montes de árvores espalhados por todos os lugares", disse Diego Agudelo. Ele afirma que nunca suspeitou da possibilidade de tal tragédia acontecer ao longo do 34 anos em que vive no local. "O rio arrastou tudo no caminho, inclusive parte da minha casa."

A avalanche ocorreu por volta das 3h desta segunda na cidade localizada a 100 quilômetros de Medellin. Os resgates das equipes de emergência contaram com o apoio de helicópteros da polícia, que as ajudaram a evacuar residentes na região pelo temor de um novo deslizamento de terra.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, que viajou a Salgar para acompanhar os esforços das equipes, afirmou que muitas crianças parecem ter perdido seus pais e que os corpos dos mortos serão transportados para Medelín para serem identificados.

Enquanto escavadoras gigantes removiam os detritos, Santos prometeu reconstruir todas as casas destruídas e prover abrigo e assistência às cerca de 500 pessoas prejudicadas pelo desastre. "Ninguém pode trazer de volta os mortos. Mas temos de lidar com a tragédia da melhor forma possível para seguirmos adiante", lamentou o presidente colombiano.

A tragédia ocorreu durante uma inundação, consequência das fortes chuvas que atingiram Salgar ao longo da noite. A enchente destruiu o aqueduto da cidade e mesmo zonas menos propensas a ser prejudicadas por temporais registraram inundações. Como medida de prevenção, as autoridades locais suspenderam a distribuição de energia e os serviços públicos após dezenas de postes caírem.

Você pode gostar