Por bferreira

EUA - Um cirurgião norte-americano criou uma alternativa para as mulheres que sonham em ter seios grandes, mas ainda estão em dúvida: o ‘Instabreast’, uma espécie de ‘test-drive’ para um posterior implante.

O procedimento permite que elas ‘experimentem’ o novo busto durante cerca de 24 horas.
Norman Rowe escolhe uma região perto de cada um dos mamilos da paciente, aplica anestesia local e injeta solução salina nos seios, até eles alcançarem o tamanho desejado. Após o procedimento, que dura 20 minutos, o líquido é absorvido pelo corpo.

Em seu consultório, em Nova York, o cirurgião faz de oito a dez aplicações por semana. Mas ele ressalta que o ideal é não aplicar o método diversas vezes. Para desencorajar a repetição da técnica, o especialista cobra altos preços: US$ 2.5 mil, o equivalente a R$ 27.990. “Não é algo que eu faça com frequência numa pessoa que queira ficar bonita para um evento. É para determinar se ela é candidata para o implante posterior”, destaca.

O ‘Instabreast’ é motivo de controvérsia entre médicos. Eles afirmam que o procedimento traz riscos à saúde, como infecções, distorções nos seios e até danos a tecidos mais profundos. “Por que uma mulher gastaria milhares de dólares em algo que estica o tecido mamário e pode gerar complicações?”, diz o presidente da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica, Michael Edwards.

Você pode gostar