Adolescente é acusado de homicídio por espancar filha de 2 anos da namorada

Rapaz de 17 anos pisoteou menina pois ela não parava de chorar e depois disse para mãe que ela estava 'passando mal'

Por O Dia

Estados Unidos - Um adolescente de 17 anos chutou e pisoteou a filha de 2 anos da namorada até a morte porque ela não parava de chorar, segundo o "NY Daily News". Cody Feran-Baum admitiu o crime hediondo à polícia de Minneapolis, nos Estados Unidos, ao ser interrogado. De acordo com policiais, ele disse ter chutado a pequena Sophia O’Neill nas costas e em seguida pisoteado a menina. Ele foi indiciado por acusações de assassinato na última segunda-feira.

Cody tomava conta da menina para a namorada, de 20 anos, no último dia 9. Os dois moravam juntos na casa dos avós do rapaz. Ele contou que, na ocasião, Sophia continuava chorando mesmo após ele tentar acalmá-la e que de repente bateu nela. 

A violência dividiu o rim esquerdo e o pâncreas da criança em dois, acabou com seu fígado e um dos pulmões e a deixou com as costelas fraturadas.

Pequena Sophia com Cody Feran-BaumReprodução Facebook

"Coloquei ela num canto e 'sei lá'. Apenas a chutei nas costas", declarou Cody à polícia. Ao ser perguntado quão forte ele chutou a menina, ele respondeu: "Foi bem ruim. Foi forte." A cena doentia foi recriada pelo adolescente usando uma boneca.

Ao chegar em casa, a mãe da criança ouviu do namorado que ela estava "passando mal". Em seguida, ela preparou um banho para tentar diminuir a febre da filha.  A mulher deu analgésicos para a Sophia, que de alguma forma, conseguiu sobreviver àquela noite.

Por volta das 12h30 do dia seguinte, Sophia "apagou" e Cody buscou ajuda de um vizinho, que fez massagens para trazer a criança de volta. O vizinho insistia em chamar a emergência, mas o rapaz apenas queria uma carona para um hospital.

No hospital, Sophia foi atendida por médicos que trabalharam nela por nove horas. Ela foi ressuscitada duas vezes antes do inevitável acontecer, e morrer.

"Não consigo acreditar", disse a avó do rapaz disse à emissora KSTP. Ela contou que nunca imaginou que o neto pudesse machucar uma criança. Já o avô de Cody revelou que o rapaz não estava acostumado a ter crianças por perto e que não entendia o "motivo de não pararem de chorar". O homem disse que chegou a aconselhá-lo a ser paciente.

Cabe a corte dos Estados Unidos decidir agora se o rapaz será julgado como adulto. Contra ele há acusação de "assassinato de segundo grau", quando há intenção de matar, no entanto, o crime não é premeditado.

"Esse foi um crime brutal e quase além da compreensão", declarou o advogado do Estado em depoimento. Ele planeja pedir a pena mais dura possível para Cody. A família do rapaz esteve presente na sua primeira audiência na corte juvenil, nesta segunda-feira. Eles diziam ao adolescente que o amavam. Uma nova audiência está marcada para o dia 9 de julho.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência