Ativistas protestam contra festival gastronômico de degustação de carne canina

Defensores dos direitos de animais foram expulsos por seguranças de um evento dedicado à degustação de carne de cães

Por O Dia

Rio - Defensores dos direitos de animais foram expulsos nesta segunda-feira por seguranças de um festival gastronômico dedicado à degustação de carne de cães, no sul da China. O evento vem sendo criticado por abater cerca de dez mil cachorros por ano, e por estimular a atuação de ladrões que roubam bichos de estimação para vendê-los a restaurantes.

Os cerca de 15 ativistas agitavam bandeiras em frente ao local do festival, na cidade de Yulin, quando os seguranças forçaram o grupo a se retirar. Nas bandeiras e faixas dos manifestantes, que foram rasgadas, estavam inscrições como: “Contra o comércio ilegal de carne de cachorro” e “Punição ao transporte ilegal de cães”.

Animais são mantidos em gaiolas até a hora de serem assados e fatiadosReuters

Não há lei na China que proíba o consumo de carne de cachorro, mas os manifestantes querem fazer valer leis sanitárias e administrativas que existem. “Muitos destes cães são animais de estimação roubados, e a maioria dos caminhões que os transportam violam as leis sobre os animais destinados ao consumo humano”, declarou Adam Parascandola, da Humaine Society. No festival gastronômico de Yulin, os cães costumam ser amontoados em gaiolas antes de serem mortos.

Em torno de 10 milhões de cães são sacrificados para o consumo da carne em toda a China, por ano, segundo a organização. De acordo com um estudo publicado por outra ONG, a Animals Asia, além dos animais roubados, outros são pegos nas ruas.

‘É COSTUME LOCAL’, DIZ POLÍCIA

Logo após o incidente com os manifestantes, ontem, comerciantes voltaram a vender abertamente carne de cachorro para centenas de clientes na cidade. As autoridades de Yulin observaram o episódio à distância, alegando que não eram organizadoras do festival de carne de cachorro. Segundo a polícia, não há motivo para interceder num “costume local”. Os promotores do evento enfatizam a “tradição cultural ancestral”, que faz com que muitos chineses, especialmente os que vivem no sul e no nordeste, consumam carne de cachorro.

Cada vez mais cães em casa

Os chineses que apóiam o fim do consumo de carne canina costumam citar como motivo o crescente interesse da população do país pelos animais de estimação. Cerca de 30 milhões de famílias chinesas têm um cão.

Ativistas protestaram contra festivalReuters

Sábado, por exemplo, uma chinesa desembolsou cerca de mil euros para comprar cem cachorros de um restaurante e salvar suas vidas, de acordo com a imprensa local. Uma petição na plataforma Change.org exigindo o fim do festival da cidade de Yulin, ilustrada por um cachorro chorando lágrimas de sangue na bandeira chinesa, já havia recolhido mais de 3,8 milhões de assinaturas ontem à tarde.



Últimas de _legado_Mundo e Ciência