Confrontos no Iraque matam 61 pessoas, a maioria jihadistas

Ataques aconteceram na região de Al Sakra, que fica no oeste de Ramadi, capital da província ocidental de Al Anbar

Por O Dia

Bagdá - Pelo menos 61 pessoas, entre elas 50 jihadistas do grupo radical Estado Islâmico (EI), morreram e 19 ficaram feridas neste domingo devido a bombardeios e confrontos com as forças de segurança em diferentes regiões do Iraque.

Em comunicado, as forças da "Operação de 'Al Jazeera' e Al Badia" (milícias pró-governo) afirmam que mataram pelo menos 26 extremistas e destruíram dois de seus carros em um bombardeio com artilharia contra uma concentração do EI na região de Al Sakra, no oeste de Ramadi, capital da província ocidental de Al Anbar. Além disso, as forças de segurança iraquianas, as milícias da Multidão Popular e combatentes tribais conseguiram repelir um ataque dos jihadistas contra três vilarejos próximos à região de Hit, a 60 quilômetros de Ramadi.

Os choques entre ambos os grupos provocaram a morte de 15 extremistas e o incêndia de oito carros do EI, disse uma fonte de segurança à Agência Efe. Além disso, o comando de operações militares de Samarra informou por comunicado a morte de nove membros do EI e a destruição de dois veículos que transportavam armas em confrontos perto da cidade, 120 quilômetros ao norte de Bagdá. Sete civis morreram e 12 ficaram feridos em dois ataques aéreos das forças iraquianas contra um mercado e um complexo residencial de Faluja, 50 quilômetros ao oeste de Bagdá, disse uma fonte médica do Hospital Geral da cidade.

Além disso, três pessoas morreram e sete ficaram feridas em um bombardeio da aviação iraquiana contra o distrito de Al Andalus, no centro de Faluja. Além disso, uma fonte de segurança de Kirkuk, ao norte de Bagdá, informou que homens armados não identificados assassinaram a tiros neste domingo o diretor-geral de operações da companhia estatal de petróleo North Oil Company, Saad Karbalai, quando saía de seu trabalho.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência