Polícia americana diz não ter evidência de atirador em base da Marinha

Local chegou a ser interditado na manhã desta quinta-feira

Por O Dia

Washington - A polícia americana informou que não encontrou evidências de atirador na base da Marinha, no sudeste de Washington. O local foi interditado na manhã desta quinta-feira após denúncias de que um atirador invadiu a base por volta das 7h40.

LEIA MAIS: Prédio da Marinha em Washington é fechado após denúncia de tiroteio

Ruas de Washington foram bloqueadas nas proximidades do prédio da Marinha invadido por atirador Reprodução Twitter

Centenas de agentes cercaram o Centro da Marinha e seus arredores, o que complicou o trânsito da capital na hora do rush. Também foi criada uma área de isolamento nos arredores da Casa Branca, medida costumeira quando ocorre esse tipo de alerta. Ainda não há informação oficial sobre o incidente que desencadeou a busca por um homem armado porque não foi confirmado se houve tiros ou se alguém viu um indivíduo armado.

Este incidente ocorre em meio ao aumento da segurança na capital que sempre precede a celebração do Dia da Independência, em 4 de julho, preocupação ainda maior neste ano pelo temor a um ataque feito pelo Estado Islâmico (EI).

O Centro da Marinha é um complexo cerimonial e administrativo onde trabalham cerca de 3.000 pessoas e fica às margens do rio Anacostia, no sudeste da cidade de Washington, a menos de dois quilômetros do Capitólio. Em 2013, o local foi alvo de um massacre causado por Aaron Alexis, um ex-soldado e prestador de serviços de Defesa que tinha problemas mentais e atirou contra trabalhadores do centro antes de ser morto por disparos da polícia.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência