Por bferreira

Inglaterra - Familiares do brasileiro Jean Charles de Menezes, morto por engano pela polícia de Londres há exatos dez anos, prestaram homenagem a ele ontem em Londres. Parentes e apoiadores da causa da família, que ainda luta por justiça, fizeram um minuto de silêncio no mesmo instante em que o jovem de 27 anos foi morto, no dia 22 de julho de 2005. O brasileiro nascido em Gonzaga, Minas Gerais, havia se mudado para a Inglaterra três anos antes. Ele foi morto a tiros pela polícia britânica que o confundiu com um terrorista. O caso foi levado recentemente ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos.

Parentes e apoiadores da causa da família, que ainda luta por justiça, fizeram um minuto de silêncio no mesmo instante em que o jovem de 27 anos foi morto, no dia 22 de julho de 2005. O brasileiro nascido em Gonzaga, Minas Gerais, havia se mudado para a Inglaterra três anos antes. Uma breve cerimônia foi realizada e flores e cartazes foram depositados diante da estação de metrô Stockwell, onde Jean Charles foi morto.

De acorodo com o inquérito, Jean Charles foi assassinado logo após entrar e sentar no vagão de um trem na estação. Policiais seguraram a porta e o agarraram. No total, dois policiais dispararam nove tiros, sete deles diretamente na cabeça do jovem.

A polícia londrina foi condenada a pagar uma multa de 175 mil libras por violar padrões de segurança e saúde no caso e teve de pagar os custos legais do processo, no valor de 385 mil libras. No entanto, o Ministério Público do Reino Unido decidiu não processar nenhum policial individualmente. Em junho deste ano, a família do brasileiro levou o caso ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, em busca de punição para os policiais envolvidos.

Você pode gostar