Atentado do Estado Islâmico em bairro xiita de Bagdá deixa mortos e feridos

Ataque já é considerado um dos mais sangrentos dos últimos meses na capital iraquiana

Por O Dia

Bagdá - O atentado com um caminhão-bomba em um mercado do bairro xiita de Sadr City, em Bagdá, reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI), deixou nesta quinta-feira pelo menos 54 mortos e 100 feridos, de acordo com o porta-voz do Ministério do Interior, general Saad Maan.

O atentado já é considerado um dos mais sangrentos dos últimos meses na capital iraquiana. Ele ocorreu quando o ex-comandante militar das forças norte-americanas considerou que a partilha do Iraque “pode ser a melhor solução” para acabar com a difícil coexistência entre comunidades sunitas e xiitas.

O ataque a Sadr City, um grande bairro xiita com forte densidade populacional no Norte da capital, ocorreu por volta das 6h locais em um mercado de frutas e legumes, justamente quando era grande o movimento de pessoas.

O EI reivindicou o atentado, à semelhança dos atos registrados na última segunda-feira, que provocaram 33 mortos a norte de Bagdá.

Em comunicado, o grupo jihadista informou tratar-se de uma “operação abençoada”, enquanto o representante da ONU no Iraque, Gyorgy Busztin, denunciava um “ataque covarde” e um “ato de terrorismo cego, destinado a enfraquecer a determinação do povo iraquiano”.

Nesse contexto, o general Raymond Odierno, a mais alta patente do Exército dos Estados Unidos no Iraque e que se aposenta esta semana, manifestou pessimismo, numa referência às tensões entre as comunidades xiitas e sunitas, desencadeadas em 2006 e 2007, e que, desde então, provocaram dezenas de milhares de vítimas.

“Torna-se cada vez mais difícil”, disse o general durante entrevista à imprensa. Ele peviu um futuro onde “o Iraque não será igual ao que era no passado”.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência