Primeiro-ministro grego confirma renúncia após acordo

Decisão de Alex Tsipras ocorre no mesmo dia em que a Grécia começa a receber verba repassada por programa internacional

Por O Dia

Grécia - O primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, colocou seu cargo à disposição nesta quinta-feira após ter convocado um referendo sobre as medidas de austeridade impostas ao país, contrariando a vontade das urnas e aceitando um duro acordo em troca de um novo pacote de resgate.

Segundo autoridades, a decisão de Tsipras vai pavimentar o caminho para eleições antecipadas em 20 de setembro sob esperança de conter uma rebelião em seu partido Syriza e selar o apoio ao programa de resgate.

A decisão ocorre no mesmo dia em que a Grécia começou a receber recursos pelo terceiro programa de resgate por credores internacionais.

Alexis Tsipras fez pronunciamento nesta quinta-feira na TV gregaReuters

"A meta é realizar eleições em 20 de setembro", disse uma fonte do governo após Tsipras participar de conversas com seus assessores. O líder deve fazer um pronunciamento televisionado às 14h (horário de Brasília).

Há tempos era esperado que Tsipras perseguisse eleições antecipadas para consolidar sua posição, após ceder às demandas de credores por mais austeridade e reformas econômicas em troca de 86 bilhões de euros (96 bilhões de dólares) em recursos de resgate.

Mas ele foi forçado a agir rapidamente após quase um terço dos parlamentares do Syriza recusarem-se a apoiar o programa no Parlamento na semana passada, roubando-lhe a garantia de maioria parlamentar.

A complexa Constituição grega tem estipulações especiais para a realização de eleições antes de 12 meses do pleito anterior, o que significa que o presidente precisa primeiro consultar outros grandes partidos para verificar se conseguem formar um governo, opção altamente improvável.

É amplamente esperado que Tsipras, muito popular entre seus apoiadores por tentar enfrentar os credores do país, a zona do euro e o Fundo Monetário Internacional (FMI), retorne ao poder, com a oposição em desarranjo.

*Com informações da ANSA e Reuters

Últimas de _legado_Mundo e Ciência