Por gabriela.mattos

Venezuela - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que a Colômbia tem um plano para "assassiná-lo" e que mostrará provas disso em breve.

"Estão nos agredindo desde Bogotá. Eu tenho provas que vou mostrar que Bogotá está fazendo uma campanha para matar-me, lamentavelmente, com a anuência e a vista grossa do governo da Colômbia", declarou o mandatário nesta segunda-feira. Segundo Maduro, será preciso fazer "com que as crianças não vejam" os documentos porque eles são "brutais".

Nicolás Maduro disse que a Colômbia tem planos para 'assassiná-lo'EPA

Para ele, seu homólogo, Juan Manuel Santos, está sendo "insensato" ao se deixar levar por seus assessores. O presidente venezuelano destacou ainda que é preciso que as entidades internacionais ajudem os países para dar assistência humanitária aos refugiados "que passam de 800 mil", de acordo com os dados dos venezuelanos.

OEA rejeita proposta colombiana

A Organização dos Estados Americanos (OEA) rejeitou fazer uma reunião entre os chanceleres do bloco sobre a crise na fronteira entre as duas nações. Por 17 votos a favor - um a menos do que o necessário -, quatro contra e 11 abstenções - incluindo o Brasil - o pedido foi rejeitado.

Outra derrota para os colombianos foi a mudança da data de uma reunião dos países membros dos países da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) sobre o caso. O encontro era para ter sido realizado no dia 3 de setembro, mas foi adiado, a princípio, para o dia 8 de setembro. A mudança ocorreu porque a delegação venezuelana está em viagem pela China.

Entenda o caso

A atual crise culminou com o fechamento da fronteira entre os dois países no dia 20 de agosto - que, inicialmente, deveria permanecer nessa situação por apenas 72 horas. Porém, o chefe de Estado venezuelano mudou de ideia no dia seguinte e determinou que o acesso terrestre ficasse fechado por tempo indeterminado.

A medida foi tomada porque três soldados da Venezuela ficaram gravemente feridos enquanto participavam de uma ação para combater o tráfico de drogas em San Antonio del Táchira. De acordo com o governo, eles foram vítimas de uma "emboscada" de venezuelanos e colombianos envolvidos com o narcotráfico.

Você pode gostar