Mulher que sobreviveu a tiroteio em TV ao vivo conta como escapou da morte

Repórter e cinegrafista foram mortos por ex-colega de trabalho durante transmissão. Crime chocou o mundo

Por O Dia

Estados Unidos - A executiva que era entrevistada durante uma transmissão ao vivo quando Bryce Williams surgiu e matou dois jornalistas a tiros, em agosto deste ano, contou à emissora "Fox" que se fingiu de morta para tentar escapar da execução. Na ocasião, Vicki Gardner também foi atingida, mas não teve ferimentos graves. Ela falou sobre o assunto pela primeira vez nesta terça-feira à noite.

"Se eu tivesse ficado em pé, não estaria aqui falando com você", disse a executiva nesta terça à uma repórter da "Fox". Ela contou que se jogou no chão e ficou deitada em posição fetal. Quando Williams se aproximou, atirou 'apenas' em suas costas, pois pensou que já estava morta. Segundo ela, ele foi frio e "não disse uma palavra".

Atirador que matou jornalistas disse que faria tudo para 'conseguir justiça'

Vicki Gardner era entrevistada ao vivo no momento do tiroteio que deixou jornalistas mortos Reprodução Internet

Vester Flanagan, conhecido profissionalmente como Bryce Williams, era ex-colega de trabalho da repórter Alison Parker e do cinegrafista Adam Ward, da emissora "WDBJ", afiliada da "CBC". De acordo com seus ex-chefes, ele tinha sérios problemas de relacionamento no trabalho.

"Quando ficou tudo em silêncio, não sabia onde ele (Bryce) estava. Eu sabia que iria ser a próxima (a receber um tiro), que o tiro seguinte ia me acertar na cabeça, pois era isso que ele estava fazendo", contou Vicki traumatizada.

Vicki falou que prestava atenção à câmera enquanto era entrevistada e viu algo se aproximando. "Vi apenas um movimento e em seguida um disparo. Muitos e muitos disparos", disse a executiva. "A partir deste momento, foi tudo um caos", afirmou.

Após ser socorrida, ela passou por uma cirurgia e teve que retirar um dos rins. O atirador morreu em um hospital da região depois de ter atirado em si mesmo durante uma perseguição policial.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência