Estudo revela que pular deixa ossos mais fortes

Pesquisadores dizem que exercício diário por dois minutos ajuda idosos a prevenir a osteoporose

Por O Dia

Rio - Saltar numa perna só, como Saci, personagem folclórico eternizado no ‘Sítio do Pica Pau Amarelo’, obra de Monteiro Lobato, quem diria, pode ter efeito terapêutico. Estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Loughborough, da Inglaterra, revela que pular dois minutinhos por dia fortalece os ossos do quadril e reduz riscos de fratura após queda e a possibilidade de desenvolver a osteoporose na terceira idade.

A pesquisa, publicada na edição de setembro da revista científica ‘Journal of Bone and Mineral Research’, envolveu 34 homens de 65 a 80 anos. Durante um ano, eles adicionaram a seu programa de exercícios uma série aleatória de pequenos saltos usando apenas uma perna. De acordo com Sarah Allison, uma das autoras do estudo, ficou comprovado que estes exercícios garantem maior resistência óssea.

Ela lembra que fraturas no quadril e fêmur representam um grave problema de saúde pública entre os idosos, gerando altos custos econômicos e sociais. “Os afetados sentem muita dor, perda de mobilidade e de independência, além do aumento do risco de morte. Nós sabemos que o exercício pode melhorar a resistência óssea e, por isso, queríamos testar um exercício fácil e rápido para as pessoas praticarem em suas casas”, disse.

Para o ortopedista André Shecaira, do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into) e do Hospital Municipal Lourenço Jorge, no Rio, saltar, assim como qualquer outra atividade que gere impacto sobre o corpo, agrega benefícios à estrutura óssea. “Vários estudos mostram que pessoas que simplesmente caminham três vezes por semana, por ao menos 30 minutos por dia, têm a velocidade de perda de massa óssea reduzida”, explica.

Quase 100% das mulheres sofrem com a osteoporose no período pós-menopausa. Homens na terceira idade também são acometidos pela doença. A pesquisa feita na Inglaterra mostrou que a atividade pode proporcionar um aumento na massa óssea de até 7% na parte externa do osso e também na camada de osso esponjoso. A melhoria mais importante foi uma maior densidade óssea nas áreas mais finas do osso, que correm maior risco de fratura após uma queda.

Alerta para possível lesão

Rodrigo Mota, ortopedista do Centro de Alongamento Ósseo (Calo), alerta: nem todo mundo pode praticar esse exercício em casa. “Saltar exige equilíbrio e algum grau de capacitação muscular. Pular de forma desenfreada e sem orientação prévia pode gerar lesões, principalmente em idosos”, afirma.

Segundo ele, é preciso sempre considerar os riscos: “Pedir um idoso a pular em um pé só pode agregar riscos de queda”. Há risco de lesionar o joelho pelo impacto que o exercício produz, por isso é essencial consultar um ortopedista previamente.

Mota recomenda ainda 30 minutos de exposição diária ao sol, para permitir a ativação da vitamina D, fundamental na prevenção da osteoporose. Uma alimentação rica em vegetais e lacticínios é outra recomendação.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência