Vaticano julgará cinco pessoas por vazamento de documentos secretos

Informações foram publicadas em dois livros. Autores estão sendo investigados desde o último dia 11

Por O Dia

Itália - A justiça do Vaticano julgará cinco pessoas acusadas de vazamento de documentos secretos de caráter financeiro da Santa Sé que foram publicados em dois livros, confirmaram à Efe fontes ligadas ao caso. Os acusados são o sacerdote espanhol Lúcio Vallejo Balda, a ex- relações públicas italiana Francesca Chaouqui, os jornalistas italianos Gianluigi Nuzzi, Emiliano Fittipaldi e Nicola Maio, este último ex-excolaborador da Comissão investigadora dos organismos econômicos e administrativos da Santa Sé (Cosea).

Vallejo Balda está em prisão preventiva no edifício da Gendarmaria vaticana desde 1º de novembro. Chaouqui foi solta e está à disposição da magistratura por ter colaborado com a justiça vaticana.

?LEIA MAIS: Vaticano é acusado de desvio de dinheiro e gastos excessivos

Os jornalistas Nuzzi e Fittipaldi são os autores dos livros "Via Crucis" e "Avarizia", elaborados com documentos classificados da Santa Sé, e já estavam sendo investigados desde 11 de novembro neste caso de vazamento de informação, que já é chamado de "Vatileaks2".

Maio, por sua vez, é um antigo colaborador da Cosea, da qual também fizeram parte Vallejo Balda e Chaouqui. A primeira audiência está marcada para a próxima terça-feira, 24 de novembro. Se condenados eles podem enfrentar penas que vão de quatro a oito anos de prisão.

Após saber da notícia, Nuzzi escreveu uma mensagem no Twitter em que afirmou "orgulhoso de ter escrito uma investigação, orgulhoso de #viacrucis #nomeequivoco #nãoinquisição". "Podem fazer o que quiserem, mas até o fim do mundo haverá jornalistas de darão notícias como #viacrucis", acrescentou.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência