Queimados registra 48 casos de Zika

Há duas grávidas na lista de pacientes monitorados. Prefeito pede rigor no combate ao mosquito

Por O Dia

Rio - A confirmação de 48 casos de Zika vírus em Queimados, com suspeita de duas gestantes vítimas, acendeu um alerta na Baixada. De acordo com a Secretaria de Saúde do município, as grávidas não vieram do Nordeste, região do Brasil com maior número de casos registrados. O problema mais grave da Zika é a sua relação com a microcefalia, redução do perímetro encefálico de fetos, filhos de mulheres que tiveram a doença durante a gestação.

A secretária Fátima Sanches participou de reuniões no fim de semana nos bairros São Jorge, Eldorado e Centro. “Muitos contaram que tiveram febre, dores nas articulações, manchas vermelhas na pele e vermelhidão nos olhos, foram à farmácia, compraram antialérgico e melhoraram.”

Fátima Sanches ressalta que um dos grandes problemas da epidemia de Zika é a falta de notificação dos doentes. “É importante que as pessoas com sintomas de Zika, dengue ou chikungunya procurem um posto médico e não se automediquem”, alertou Sanches.

A secretaria de estadual de Saúde informa que, desde janeiro de 2015, foram registrados 21 casos de malformação em bebê em todo o estado. E entre as 75 grávidas com manchas vermelhas, a Zika foi confirmada em apenas uma delas, mas não há confirmação se o feto apresenta microcefalia. A notificação de gestantes com sintomas da doença tornou-se obrigatória desde 18 de novembro.

Preocupado com a crescimento da doença, o prefeito de Queimados, Max Lemos, montou uma força-tarefa com 300 funcionários para combater o mosquito. É a primeira prefeitura da região a admitir a endemia.

“Essa é uma situação que os prefeitos não podem esconder, mas combater. Nunca tivemos casos de morte por dengue na cidade. Não queremos o povo acomodado. Vou chefiar a campanha pessoal junto com a secretária de Saúde”, afirmou Max Lemos. “A população esquece as campanhas anteriores”, salientou o prefeito, que pretende espalhar cartazes em ônibus e promover intensa campanha em emissoras de rádio.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência