Por gabriela.mattos
Publicado 22/12/2015 22:43 | Atualizado 23/12/2015 01:16

Estados Unidos - Até esta terça-feira, foguetes espaciais eram basicamente imensos tanques de combustível descartados tão logo alcançassem determinada altura. Dos metros e metros da torre pontuda que riscava o céu com fumaça de dia e tingia a noite com uma luz incandescente, só sobrava o cubículo do módulo de controle. O resto era torrado na reentrada. Não mais: depois de anos de testes e tentativas frustradas, o homem finalmente conseguiu pousar um foguete em pé, após lançar satélites na órbita da Terra.


SpaceX lança foguete e coloca satélites em órbitaReuters


O foguete Falcon 9, da SpaceX, decolou da Flórida na segunda-feira com carga de satélites de comunicações e conseguiu retornar de volta a Cabo Canaveral e pousar em segurança perto de sua plataforma de lançamento, no primeiro voo espacial desse tipo.

A missão bem-sucedida, coroada pela colocação de todos os 11 satélites em órbita para o cliente ORBCOMM, levou pouco mais de 30 minutos e marcou nova etapa fundamental para a empresa privada Space Exploration Technologies, ou SpaceX, fundada pelo empresário Elon Musk. Foi o primeiro voo da empresa, com sede na Califórnia, desde que falha num foguete em junho destruiu nave de carga que integrava missão de reabastecimento com destino à Estação Espacial Internacional.

A Nasa felicitou a empresa de Musk pela aterrissagem histórica. Em novembro, a agência espacial norte-americana já havia encomendado à SpaceX missão tripulada para a Estação Espacial Internacional, o que deve acontecer até 2017.

O feito de Musk pode ser medido em números e em planos. Cada foguete desintegrado na atmosfera custa 90 milhões de dólares. Com a tecnologia da SpaceX, ficará mais barato levar gente para a órbita, e de lá para os confins do espaço.

Você pode gostar