Depois da luz, Macri deve reajustar gás

Aumentos são decorrentes da retirada dos subsídios que eram mantidos pela antecessora de Macri, Cristina Kirchner

Por O Dia

Argentina - O ministro da Energia da Argentina, Juan José Aranguren, anunciou nesta segunda-feira que o governo planeja adotar um modelo de tarifas de gás parecido com a da luz. Na semana passada, o presidente Mauricio Macri ordenou um decreto que resultou em aumento de até 500% na energia elétrica.

Estes reajustes são decorrentes da retirada dos subsídios que eram mantidos pela antecessora de Macri, Cristina Kirchner. O governo alega, porém, que, no caso da luz, cerca de 900 mil argentinos de baixa renda continuam sendo subsidiados.

Reajuste é resultado do corte de subsídios dados por Cristina KirchnerReprodução

A justificativa para a redução dos auxílios financeiros é a diminuição do déficit do país, que chegou a 7,1% no ano passado. Somente com o fim do subsídio do setor energético, a administração pública deverá economizar US$ 4 bilhões por ano.

As medidas impopulares tomadas por Macri têm causado reação dos argentinos, que já foram às ruas protestar várias vezes. O governo, no entanto, diz que as manifestações são realizadas por oposicionistas.
Retirada dos subsídios é o que vai provocar aumento

Últimas de _legado_Mundo e Ciência