Por felipe.martins

Damasco - Depois de obrigar um integrante a executar a própria mãe, o Estado Islâmico agora elimina quem ouve música pop. Segundo a agência curda de notícias Ara News, Ayham Hussein, de 15 anos, foi preso ao ser encontrado ouvindo música ocidental na mercearia do pai. Ele foi levado a um tribunal islâmico e condenado à morte. O jovem foi decapitado em praça pública.

Outros dois jovens também foram presos por não terem comparecido às orações na mesquita de Mossul, informou a mesma agência. O ativista local Abdulah al-Malla contou que eles foram baleados do lado de fora do templo dois dias depois da detenção. “A execução ocorreu depois de ser lido no tribunal uma declaração determinando que qualquer pessoa que falte às orações enfrentem a mesma punição”, disse o ativista.

Mês passado, um jihadista de 20 anos matou a mãe com um tiro na cabeça na cidade de Raqqa, na Síria. A mulher incentivava o filho a deixar o Estado Islâmico e abandonar a cidade, considerada capital do Estado Islâmico. O jovem, que lutou ao lado dos moderados do Exército Sírio Livre e também da Frente Al-Nosra, braço sírio da Al-Qaeda, antes de unir-se ao EI, informou os superiores, que determinaram a morte da mulher.

Você pode gostar