Por tamyres.matos

Rio - O Bus Rapid System (BRS), faixa seletiva para ônibus, vai chegar à Zona Norte no mês que vem, com a ligação do Largo da Carioca, no Centro, à Praça Saens Peña, na Tijuca. Segundo o secretaria Municipal de Transportes, Carlos Roberto Osório, o projeto será desenvolvido em duas etapas. A primeira, do Centro ao Estácio, estará concluída até o fim de agosto. Neste trecho, a pintura das faixas nas pistas, que já estão sendo recapeadas, começam na semana que vem. A segunda etapa, do Estácio à Tijuca, entrará em operação até o fim de setembro.

Para a implementação do projeto, a Prefeitura fará, além do recapeamento e pintura das faixas nas vias, acertos nas calçadas e abertura de algumas baias para as paradas de ônibus e instalações dos novos pontos, como foi feito na Zona Sul e no Centro. “Esperamos ter um ganho no tempo médio de deslocamento de 15% a 20% dos coletivos. Isso permite a redução da frota de ônibus ou o aumento da frequência, dependendo da necessidade de cada linha”, disse o Osório, acrescentando que o sistema aumenta também a previsibilidade dos tempos de viagem.

Na Zona Sul%2C o BRS foi implementado há dois anos e reduziu o tempo de viagem em 20%%2C segundo a PrefeituraFelipe O%26%2339%3BNeill / Agência O Dia

Na Zona Sul, onde o BRS foi instalado há dois anos, a redução do tempo foi de 20%, em média, segundo o secretário, que afirmou ainda que, não há previsão de alteração nas linhas dos coletivos para a Tijuca. O secretário anunciou, que até o fim do ano, os corredores BRS serão implementados do Maracaná até o Méier, na Zona Norte, e no Humaitá e na Praia de Botafogo, na Zona Sul.

Professor de Engenharia de Transportes da Uerj, Alexandre Rojas avalia que a implementação do BRS para a Tijuca é positiva, mas faz a ressalva de que é necessária também a reorganização das linhas na região, reduzindo a sobreposição de roteiros.

Para especialista, projeto é o primeiro passo para o BRT

O gerente do ITDP (ONG que faz projetos de transporte público), Pedro Torres, afirma que o BRS trouxe um ganho considerável para o transporte coletivo onde já foi implementado, mas ressalta que não deve ser o objetivo final. “Eu vejo o BRS como um primeiro passo para a instalação dos BRTs (corredores exclusivos para ônibus com separação física)”, avaliou.

As novas faixas seletivas. Clique na imagem acima para ver o infográfico completoArte%3A O Dia Online

Segundo ele, o fato de bairros como Copacabana e Tijuca serem densamente habitados não impede a construção dos corredores exclusivos nas pistas centrais das vias principais. A diferença principal do BRT para o BRS é que este último tem separação apenas com faixas nas pistas e permite o acesso de táxis e veículos particulares que vão virar à direita. “A velocidade média do ônibus no BRT é muito maior”.

Torres, que também defendeu o reordenamento das linhas de ônibus na região, ressaltou que é importante a realização de campanhas de comunicação para avisar aos passageiros das mudanças.
Ontem foi o segundo dia últil de alterações em linhas de ônibus da Zona Sul e não houve ainda avisos nos pontos, deixando passageiros perdidos.

Operação do Procon lacra 52 coletivos em Campo Grande

O Procon-RJ realizou na madrugada de ontem a Operação Roleta Russa, que fiscaliza ônibus alvos de denúncias da população. Na ação, 52 veículos foram impedidos de circular devido às más condições. A iniciativa contou com o auxílio de policiais do 40º BPM (Campo Grande), que estiveram nas garagens da Expresso Pégaso e da Auto Viação Jabour, onde foram lacrados 31 ônibus e depois outros 21, respectivamente. Os carros estarão impedidos de circular enquanto os problemas não forem solucionados.

Entre os principais defeitos, foram encontrados ônibus sem limpador de para-brisa, com vidros trincados, com elevadores para cadeirantes quebrados e bancos soltos, além de faróis, luzes de freio e lanternas que não funcionavam. “Em um dos veículos, próximo à porta de entrada, havia um ferro solto que poderia ocasionar um sério acidente”, ressaltou o diretor de fiscalização do Procon-RJ, Fábio Domingues de Souza.

A Operação Roleta Russa começou em maio deste ano e já autuou 50 empresas de ônibus, interditando 560 veículos. As multas aplicadas variam entre R$ 480 e R$ 7 milhões. A Pégaso e a Jabour são empresas reincidentes em notificações. Com isso, as multas que receberão serão ainda maiores.

A Operação Roleta Russa é uma determinação da Secretaria do Estado de Defesa do Consumidor.

Você pode gostar