Mais de mil metros de grades são recuperados no BRT Transcarioca

Madureira, Irajá, Vila da Penha, Vila Kosmos e Penha Circular são os bairros mais afetados por atos de vandalismo

Por O Dia

Rio - Logo que o corredor BRT Transcarioca entrou em funcionamento, em junho do ano passado, a Secretaria de Conservação e Serviços Públicos (Seconserva), responsável pela manutenção da via, percebeu que o vandalismo contra as grades, instaladas no canteiro central em toda a extensão do corredor, seria um grande desafio.

BRTDivulgação

Só em janeiro deste ano, quando a Secretaria de Conservação começou a realizar um levantamento mensal das substituições das grades, 1010 metros de gradil foram recuperados. Em junho, foram substituídos 291 metros. “Os números são animadores. Se pensarmos que em janeiro recuperamos mais de um quilômetro de grades, a diminuição foi bastante significativa”, festeja o secretário municipal de Conservação e Serviços Públicos, Marcus Belchio.

O secretário confessa que esse resultado se deve ao aumento da vigilância, eletrônica e física, assim como à ajuda das polícias militar e civil, além de campanhas de conscientização que foram feitas desde que o corredor BRT Transcarioca foi inaugurado. “As grades não existem por acaso. Tem todo um planejamento de engenharia por trás”. O secretário disse, também, que nos últimos meses não houve nenhum caso de atropelamento. “Não há registro de incidentes com atropelados. Sinal de que o usuário está aprendendo que aquela grade está ali para protegê-lo e que o local de travessia é a faixa de pedestres. Ou seja: a população está colaborando e é esse o caminho”, afirmou.

A Seconserva informou que os bairros que mais registraram atos de vandalismo foram Madureira, Irajá, Vila da Penha, Vila Kosmos e Penha Circular. Já o contrato de manutenção, licitado no valor de R$ 7 milhões anuais, é utilizado não somente para a calha do BRT, mas também para as pistas dos veículos e calçadas públicas existentes no percurso.

Últimas de _legado_Observatório da Mobilidade